Arquivo mensal: agosto 2013

Júpiter em quadratura com Urano

Conflito entre esses dois planos da alma, ficando exato neste dia 21 de agosto de 2013, indicando a necessidade de maior conscientização sobre as nossas idéias e seus respectivos alcances e significados.

“Nada é tão perigoso quanto uma ideia — quando você só tem uma.”

Ignacio de Loyola BrandãoEssa frase do escritor Ignácio de Loyola Brandão pode definir bem o risco que causa o excesso de centralização em uma ideia que consideramos correta. Ou, se quisermos usar uma outra linguagem, os riscos do fanatismo.

A quadratura (ângulo de noventa graus) entre Júpiter  e Urano indica um momento em que talvez tenhamos que abrir mais os olhos em relação às ideias dos outros e, sobretudo, em relação aos limites de nossas próprias ideias.

Inflamados por um ideal ou uma concepção idealista, muitas vezes deixamos de observar o mais sagrado dos deveres: o de respeitar as concepções e ideais do outro. Em um nível mais agudo, essa situação poderá acarretar uma hiper-inflação dos significados em relação aos significantes, ou seja, do ego em relação à ideia defendida, o que pode desencadear o surgimento de mosntruosidades internas, que afloram à superfície da psique e tendem a ampliar-se desmesuradamente.

Essas monstruosidades têm sido comuns ao longo da História e, em alguns casos, tomaram dimensões tenebrosas. Exemplos: Nero, Napoleão, Hitler, que se sentiram mais significativos do que seus semelhantes, a ponto de se julgarem sócios de Deus.

É preciso, portanto, perceber que, do outro lado de uma idéia, há sempre uma contra-idéia e nosso dever será sempre o de respeitar os pensamentos alheios, propondo uma ação universal de restauração do sentido mais amplo das coisas humanas, saindo do ego para a essência transumana. Exemplos: Sócrates, Gandhi, Luther King, que se sentiram tão significativos quanto seus semelhantes, a ponto de se fazerem instrumentos de Deus.

Nesse momento, portanto, cuidado: lembre-se de que todos têm a sua versão da verdade e a sua versão não necessariamente é melhor do que a versão de seu vizinho. E busque conscientizar-se dos alcances, mas também dos limites de suas idéias, a fim de que toda a Humanidade, e não apenas você e seu ego, possa beneficiar-se dela.

Anúncios

O planeta Vênus entra no signo de Libra

Neste dia 16 de Agosto, o planeta Vênus, continuando seu caminho pelo círculo zodiacal, adentra o signo de Libra, inaugurando uma fase de ponderação e equilíbrio dos afetos e da beleza.

É sempre bom relembrar os ensinamentos eternos da Mitologia. Pois bem, há uma interessantíssima passagem da Mitologia Grega que conta a história das mulheres da ilha da Lemnos, onde florescia uma avançada civilização, cujo comércio marítimo era altamente desenvolvido. VênusAs mulheres desse povo gozavam de especial favorecimento da deusa Vênus, que dotava suas protegidas com tal graça, charme e sensualidade que a sua fama se espalhava pelo mundo: as belíssimas mulheres da ilha de Lemnos não tinham que lhes fizesse frente, em termos de beleza e encanto.

Em troca, as beldades prestavam o mais intenso e devoto culto em honra à deusa: mantinham sempre limpo e arrumado o seu templo, ofereciam-lhe holocaustos, acendiam-lhe incensos e velas, elevavam-lhe cantos e louvores.

Porém, com o passar dos anos, as mulheres de Lemnos foram, gradativamente, esquecendo-se de suas obrigações devocionais: já não cantavam com tanto ardor, esqueciam-se de limpar o templo, deixaram de fazer sacrifícios. Indignada, a vingativa Vênus aplicou em suas ex-protegidas uma terrível punição: fez com que fossem acometidas por uma fedentina tal que os próprios maridos não mais as suportavam, a ponto de fugirem com as escravas trácias que, mesmo sem serem tão belas, pelo menos não eram tão fedorentas!

Inconformadas, as mulheres de Lemnnos mataram todos os maridos (e até as escravas!) e fundaram uma república só deLemnos Women mulheres guerreiras.

Sem dúvida, uma lamentável transformação…

A entrada de Vênus no signo de Libra, seu signo de regência, nos convida a refletir sobre algo que é interessante notar: sejamos homens ou mulheres, todos temos a parcela feminina da psique (astrologicamente representada pelo planeta Vênus), que devemos constantemente resgatar e cultuar, sob pena de uma “fedentina” emocional que nos impeça de enxergar a nossa própria beleza e a beleza do Universo.

É uma boa hora, portanto, para uma série de reflexões venusianas. Avalie, em primeiro lugar se o excesso de rigidez ou mesmo os excessos do seu ego não estão sendo um entrave à vivência e à expressão de seus afetos. Ao contrário, você pode usar a sua criatividade e inventividade para manter acesa a chama da paixão, sem que, para isso, você tenha que cobrar tanto do outro ou de si mesmo.

Mergulhe fundo em seus sentimentos e lembranças e você poderá encontrar a causa de algumas sensações desagradáveis de desencanto e insegurança, que, muitas vezes, são provenientes de relacionamentos anteriores, não muito bem resolvidos, que teimam em nos assombrar, como fantasmas que nos impelem a despejar no (a) companheiro(a) nossos próprios sentimentos destrutivos.

Saiba que a felicidade pertence aos que se bastam, já disse alguém. Ou seja, se você está feliz, até pode compartilhar dessa felicidade com alguém; por outro lado, atrelar a sua felicidade, necessariamente, à presença de outrem é suicídio emocional e não amor.

E lembre-se: como dizia Aristóteles, a virtude está no meio-termo. Durante a estada de Vênus em Libra, o Cosmos nos convida a revisar e reavaliar os parâmetros sob os quais compreendemos o amor e colocá-los na balança. Uma tentativa de comedir e ponderar o amor, torná-lo virtuoso e equilibrado.

Dica Cinematográfica

O excepcional filme “Apenas Uma Vez” (Once), produção irlandesa de 2008, que traz uma poderosíssima e deslumbrante trilha sonora, personagens intensos e atores tão bons quanto desconhecidos. E nos leva a belas reflexões sobre esta temática venusiana.

Detalhe: assista a  esse filme acompanhado.

Espetáculo nos Céus: a chuva de meteoros Perseidas!!!

Os Perseidas atingem seu máximo, entre duas e quatro horas na madrugada de 12 de Agosto de 2013.

As Lágrimas de São Lourenço nos abençoam!!!

O céu nos reserva segredos e espetáculos os mais belos. No céu há cores, formas, e até movimento.

Esse é o caso de uma chuva de meteoros, um dos mais belos espetáculos da natureza.

Uma chuva de meteoros acontece quando o planeta Terra passa pelo rastro de algum cometa, ou seja, uma região do espaço cheia de partículas que, ao entrarem na atmosfera terrestre, inflamam-se e povoam o céu com movimento e beleza.

Ao longo do ano, há vários momentos em que podemos observar esse belo fenômeno celeste.

A chuva de meteoros Perseidas já vem acontecendo desde meados de Julho e ainda poderá ser observado a té o dia 24 de agosto. Neste 12 de Agosto, os Perseidas atingem seu máximo, chegando a um gradiente de 100 bólidos por hora, o que dá mais de um por minuto.

Esses meteoros são chamados Perseidas porque o seu radiante (a região do céu de onde parecem se originar) está localizado na constelação de Perseus.

Ou seja, é da constelação de Perseus que os meteoros Perseidas se lançam à Terra, trazendo-nos uma linda mensagem de superação e força. Afinal, foi o grande herói Perseu que matou a Medusa, o pavoroso monstro que era mulher da cintura para cima, serpente da cintura para baixo, tinha serpentes no lugar dos cabelos e transformava em pedra qualquer ser vivo que olhasse para ela. E por conta desse e de muitos outros atos heróicos, Perseu teve a honra de ser transformado em uma constelação. E de lá do alto, arremessa-nos esses belos meteoros Perseidas, como sinais de que precisamos ter coragem, a cada dia, de vencer os monstros do medo, da violência, da ignorância…

O mapa mostra a posição da constelação de Perseus, às 2h00, vista do Nordeste do Brasil, que será a posição mais favorável para a observação.

Em outras regiões, pode haver algumas pequenas variações, mas deve ser suficiente para uma referência.

Se você estiver acordado ou estiver voltando da balada, vale a pena dar uma olhadinha na direção do horizonte norte do céu e procurar Perseus.

Talvez você tenha a sorte de ver algumas das estrelas cadentes (como também são chamados os meteoros). E vale até fazer um pedido!

Detalhe

Os Perseidas também são chamados de “Lágrimas de São Lourenço“, porque, segundo a lenda sobre esse grande santo, no dia da sua morte, em 10 de Agosto de do ano de 258, houve uma linda chuva de meteoros.

A Epopeia dos Deuses – Curso de Mitologia Grega

Convidamos todos os nossos amigos e leitores deste blog para a aula inaugural do curso A Face de Urano .

 

A Academia Palas Athena de Ciências Cosmológicas

apresenta

A Epopeia dos Deuses

Curso de Mitologia Grega

Um mergulho no maravilhoso universo simbólico dos mitos greco-romanos, com seus amplos e
profundos significados arquetípicos.

Coordenação do astrólogo e mitólogo

Haroldo Barros

Período

Um encontro semanal (toda terça-feira), durante dois meses, das 19:30 às 21:30 h,
iniciando em 13 de Agosto de 2013.

Local

Loja Açúcar & Afeto

Rua da Hora, 639, Espinheiro

Informações

https://www.facebook.com/pages/A-Epopeia-dos-Deuses/205753582918019

Cartaz Epopeia dos Deuses

A Face de Urano – Curso de Astrologia

Convidamos todos os nossos amigos e leitores deste blog para a aula inaugural do curso A Face de Urano .

A Academia Palas Athena de Ciências Cosmológicas

apresenta

A Face de Urano

Curso de Astrologia

Um mergulho no universo arquetípico da milenar ciência dos céus, a Astrologia, com vistas ao conhecimento da alma
humana, seus desafios e suas infinitas possibilidades.

Coordenação do astrólogo

Haroldo Barros

Período

Um encontro semanal (toda quqrta-feira), durante quatro meses, das 19:00 às 22:00 h,
iniciando em 14 de Agosto de 2013.

Local

Loja Açúcar & Afeto

Rua da Hora, 639, Espinheiro

Informações

http://www.facebook.com/facedeurano

Cartaz A Face de Urano

Júpiter em oposição a Plutão

Aspecto tenso entre esses dois planetas, indicando momento de crises transformadoras em nosso sistema de crenças.

O planeta Júpiter representa, do ponto de vista do simbolismo astrológico, a sabedoria, a Filosofia, a Ética. Ajustiça e a base sobre a qual ela se assenta. Os nossos sistemas de crenças e nosso senso de liberdade. E, por associação com Sagitário, seu signo de regência, a busca pelo transcendente e a maestria espiritual.

Já o planeta Plutão, regente do signo de Escorpião, está associado aos processos de transformação e regeneração. Processos que nem sempre (ou quase nunca, para ser franco..) acontecem de maneira simples e fácil. Pelo contrário, Plutão gosta de ser um grande mestre que irá nos ensinar suas lições, seja pela consciência, seja pela dor.

Quadratura T

Quadratura T

A oposição entre Júpiter e Plutão é um indicativo de que algumas das nossas certezas estarão em cheque, nos próximos dias. Conflitos pode haver, que propiciem um importante aprendizado, mais provavelmente pela dor do que pela consciência. Conflitos e situações que podem exigir decisões difíceis. Ainda mais porque a oposição Júpiter-Plutão se posiciona a 90 graus de Urano, formando uma Quadratura T, um aspecto todo vermelho, prá lá de tenso…

E mais. faz convergir essa Quadratura T com outra importante configuração que hoje se apresentam em nossos céu: o Grande Trígono entre Júpiter, Saturno e Netuno.

E o resultado é que se forma uma nova configuração, que mescla os benefícios e estímulos expansivos do Grande Trígono com as tensões da Quadratura T.

E quais os impactos disso sobre nós?

Grande Trígono

Grande Trígono

Uma coisa que se impõe é a necessidade de aceitação das mudanças. Já tivemos a chance de citar, em outro artigo deste blog, a mundialmente famosa pesquisa realizada pela Dra. Elizabeth Kübler-Ross, médica psiquiatra que trabalhou com doentes terminais. Segundo a Dra. Kübler-Ross, existem cinco estágios pelos quais os pacientes terminais passam, antes de aceitar a morte iminente. Primeiro, o estágio da negação. O paciente não aceita a idéia e nega a possibilidade, mesmo diante de evidências. O segundo estágio é o da cólera: o paciente esbraveja e grita contra o destino ou contra Deus. Fica realmente zangado porque sua vida está chegando ao fim. O terceiro estágio é o da barganha: o paciente começa a oferecer um novo tipo de comportamento (um nova dieta, um novo modo de lidar com as

Configuração Dupla

Configuração Dupla

pessoas, uma nova chance à religião) em troca de um prolongamento de sua vida. O quarto estágio é o da depressão: a tristeza que se instala diante do inevitável. E finalmente, vem o estágio final da aceitação: consciente dos fatos, o paciente reconcilia-se com a vida e com a morte iminente e pode usufruir de seus últimos instantes em paz.

Em Astrologia, normalmente não estudamos a morte física, por considerar que ela está fora do alcance de nosso livre-arbítrio. Mas entendemos que as mesmas fases da morte detectadas por Kübler-Ross podem ser encontradas nos processos de mudança pelos quais passamos, ao longo de nossas vidas. Investimos muito de nosso tempo e energia para evitar a dor e a crise. A maior parte de nós abomina a idéia de perder ou de se desligar de qualquer coisa à qual estejamos ligados, mesmo aquelas coisas que sabemos prejudiciais, mas que, pela força do hábito, mantemos.

Nutrimos e alimentamos um medo especial por perder aquelas coisas que representam o nosso senso de identidade: relacionamentos, empregos, salários, ideais, conceitos religiosos, etc.

E muitas vezes, diante da mudança inevitável (= morte do ego), reagimos exatamente como os pacientes terminais estudados pela Dra. Kübler-Ross: primeiro, negamos que algo tão característico de nossa ego-identidade esteja prestes a desmoronar; depois, esbravejamos a

Dra. Kubler-Roos e Madre Teresa

Dra. Kubler-Roos e Madre Teresa

nossa cólera contra tudo e contra todos; em seguida, tentamos barganhar (tarde demais!) a sobrevivência dessa nossa parte tão desgastada de nossa composição psíquica: “vou passar a me comportar assim ou assado”, “vou me emendar e mostrar serviço”; depois, ficamos profundamente deprimidos pela inexorabilidade da mudança; e finalmente, aceitamos a mudança e somente a partir daí, podemos agir para criar o destino que desejamos e merecemos.

A oposição entre Júpiter e Plutão (e todas as suas configurações correlatas) é um poderoso indicativo de que o Cosmos nos dá a chance de compreender a mudança e seus porquês, seja pela consciência, seja pela dor. Não necessariamente o desenvolvimento se dá pela dor. Isso só acontece quando teimamos em não tomar consciência da necessidade de mudança. Daí surge a crise e a dor que faz aprender.

A oposição se dá com Plutão a nove graus de Capricórnio e Júpiter a Nove graus de Câncer. Se você já tem o seu mapa astrológico, observe que casas do seu mapa são tocadas por esses dois pontos e você terá uma indicação das áreas da vida onde você pode vir a passar por testes de vida que lhe trarão consciência e aprendizado.

 Dica cinematográfica

O filme “Viver” (“Ikiru“Japão, 1952), de Akira Kurosawa.

ViverConsiderado por muitos como a maior obra do mestre do cinema japonês, o filme é um poema em celulóide, produzido em preto e branco, mas demonstra,, com a força de todas as cores da alma, que a morte pode ser encarada como um sopro de renascimento. Você vai conhecer a história de Watanabe, um homem que descobre o sentido da vida, a partir do beijo da morte.

Na foto, o ator Takashi Shimura, em cena emblemática do filme.