Arquivo mensal: novembro 2014

O Sol entra em Sagitário

Continuando o seu inexorável caminhar pelo círculo zodiacal, o astro-rei adentrou o signo de Sagitário,neste dia 22 de Novembro, dando início a um ciclo de busca da transcendência e da expansão consciencial, onde, após o mergulho nos mistérios da transmutação (em Escorpião), a consciência busca vôos mais elevados.

Mitologicamente, o signo de Sagitário, último dos signos do elemento fogo, está associado ao mito do centauro Quíron, o grande sábio e médico, que habitava uma gruta na Tessália. As mais importantes famílias da Grécia enviavam-lhe seus filhos para que os educasse. Assim, os maiores heróis da Mitologia passaram por suas mãos, recebendo ensinamentos em Medicina, Matemáticas, Música, Astrologia, Dança e também nas artes da equitação e caça.

Seu mais famoso discípulo foi o grande Hércules, que se tornou também seu maior amigo.

Um dia, num conflito com os outros centauros, Hércules dispara uma de suas temíveis flechas, envenenadas com o mefítico sangue da Hidra de Lerna, um monstro tão peçonhento que qualquer criatura, ao ser contaminada com seu sangue, morreria instantaneamente. Isso se o ser em questão fosse mortal. Mas, se fosse imortal, seria acometido de uma ferida atroz, incurável, que o acompanharia por toda a eternidade.

Acidentalmente, a flecha resvala e vai se cravar na coxa de Quíron que se torna vítima da mais terrível ferida.

E o grande cirurgião, que a todos curava, não pode curar a si próprio.

O arqueiro dispara a flecha na direção do Infinito!

Quíron abdica de sua imortalidade, para encontrar a paz entre os mortos, no reino de Plutão. Mas, percebendo que aquele não é o lugar para um ser tão divinal, Plutão o reenvia para Zeus, o soberano dos deuses, que resolve catasterizá-lo, ou seja, transformá-lo em constelação, para que os homens sempre tivessem um exemplo, no Céu, de que a eterna sabedoria não morre jamais. E assim surge a constelação de Sagitário, o arqueiro.

O centauro, animal mítico metade homem, metade cavalo, utilizado para representar o signo de Sagitário, simboliza três níveis evolutivos: em primeiro lugar, a bestialidade, representada pelas patas do cavalo; depois, a racionalidade, que vence a animalidade e é representada pela metade humana; e, finalmente, a busca da transcendentalidade, simbolizada pela flecha que o centauro dispara em direção ao Infinito e que está para além da própria razão. A flecha (palavra oriunda do vocábulo frâncico “fliugika” = aquilo que voa”) é o veículo simbólico através do qual a consciência se aparta do indivíduo a fim de unir-se ao seu Alvo, o Céu, em cuja direção viaja, lançada pelo arco certeiro do Centauro.

A entrada do Sol em Sagitário é um convite do Cosmos a que lancemos nossa consciência em direção ao Infinito, buscando o conhecimento que nos permite desapegar-nos das contingências da realidade e transcender aos verdadeiros valores do Sagrado. Mas lembre-se de que a vivência do Sagrado não é necessariamente uma vivência religiosa, pois a religião não detém o monopólio do Sagrado.

Aproveite. Pois há uma dimensão de sua alma que só pode ser preenchida e plenificada através desse sentimento de busca do eterno.

Aproveitamos para desejar a todos os nossos amigos e leitores sagitarianos uma feliz celebração de aniversário.

Anúncios

Marte em conjunção com Plutão

Neste dia 10 de Novembro de 2014, aos onze graus do signo de Capricórnio, os planetas Marte e Plutão se encontram, dando início a uma fase de ativação de nosso herói interior.

Segundo os estudiosos da simbologia arquetípica e do inconsciente coletivo, todos os nossos processos de aprendizagem, crescimento e mudança tem características heróicas, ou seja, seguem uma seqüência de passos idêntica, simbolicamente falando, às aventuras dos heróis mitológicos. A própria figura mitológica do herói, pelo seu nascimento, sua genealogia e suas capacidades, em muito se assemelha à estrutura simbólica do homem, em suas buscas pela individuação, evolução e realização.

Hércules e o Leão de Nemeia

Hércules e o Leão de Nemeia

Se prestarmos atenção, veremos que cada um de nossos projetos, fases de vida, histórias de sucesso ou fracasso, apresentam marcadas semelhanças com mitos como os Trabalhos de Hércules, a vitória de Perseu sobre a Medusa ou de Teseu sobre o Minotauro, pois cada uma dessas narrativas nos evoca e nos remete a verdades primordiais, cujo cenário de ação é a própria alma humana. E essa é a função do mito: falar-nos, através de narrativas, de coisas que não podem ser faladas, a não ser de forma indireta.

O encontro entre Marte e Plutão é indicativo da ativação, em nosso interior, do arquétipo heróico. Ou seja, daquela parcela de nossa psiquê que sonha e resolve perseguir esse sonho: busca e encontra suas armas, luta, mata, sofre, enfrenta o dragão, transforma-se e alcança a imortalidade.

Durante os próximos dias, esse herói estará nos convidando ao início de grandes combates: novos projetos, novas viagens, novas etapas, novos desafios. E qualquer projeto iniciado ou (re)ativado nesta fase conta com os poderosos auspícios desta conjunção, o que lhe reforçará as possibilidades, conferindo-nos mais determinação, coragem, lucidez para enfrentar os dragões ao longo do caminho e, o que pode ser o mais interessante, um grande encanto pelo próprio processo em si, independentemente dos seus resultados.

Vamos agir?

Análise Cíclica

Independentemente da qualidade própria desse momento, sinalizada pela conjunção Marte-Plutão, do ponto de vista ciclológico cabe também uma observação.

Como já comentamos em outros artigos, nesta coluna, o ciclo sinódico entre dois planetas se dá da seguinte maneira: na conjunção (quando os dois planetas se encontram no mesmo grau do Zodíaco), inicia-se um ciclo, novas sementes são lançadas, algo novo começa. O planeta mais rápido continua avançando e, na oposição (quando os planetas estão a 180º), esse ciclo atinge o seu máximo. Nesse ponto, as sementes lançadas no momento da conjunção frutificam (para bem ou para mal) e rendem resultados. Mas, entre a conjunção e a oposição e vice-versa existem dois momentos em que os planetas se colocam em quadratura (a 90º um do outro). Os pontos de quadratura representam momentos de crise, de oportunidade. A quadratura crescente (entre a conjunção e a oposição) está relacionada a crescimento. Às vezes, nesta fase, faz-se necessário um ajuste ou reordenamento de metas, para que os projetos ou vivências iniciadas na conjunção continuem ou até mesmo se extingam de vez. Já a quadratura minguante (entre a oposição e a conjunção) está relacionada a uma crise que solicita novos ajustes, porém com vistas ao encerramento do processo.

Ciclo Sinódico

 

E, na nova conjunção, o ciclo é definitivamente encerrado e um novo se inicia.

Alguns desses ciclos duram um mês, como é o caso dos ciclos envolvendo a Lua. Outros duram vinte anos, como é o caso do ciclo Júpiter-Saturno. E outros ainda duram dos anos a dois anos e meio, como é o caso deste ciclo Marte-Plutão.

Quando observamos esse tipo de ciclo, percebemos que o tempo e seu desenrolar em nossa vida fica impregnado de significados. E vivemos em meio a uma infinidade desses ciclos, que se mesclam e se interpenetram entre si.

A vez mais recente em que Marte e Plutão fizeram uma conjunção foi em Novembro / Dezembro de 2012. Avalie com cuidado: que sementes você lançou, nos entornos desse momento? Que projetos ou vivências você iniciou aí?

Marte e Plutão fizeram uma quadratura crescente em Março de 2013. Pergunte-se: que tipo de crise de ajustamento seu projeto ou vivência passou, durante esse momento?

A oposição Marte-Plutão ocorreu em Julho / Agosto de 2013. Aí aconteceu o apogeu do ciclo. Que frutos você colheu?

A quadratura minguante Marte-Plutão ocorreu em Dezembro de 2013 / Janeiro de 2014. E, por conta do movimento retrógrado de Marte, repetiu-se, perdurando de Abril a Junho de 2014. Eis aí o momento da crise final, o princípio do fim do ciclo.

E a conjunção Marte-Plutão ocorrida agora, entre Novembro de 2014, encerra o ciclo iniciado em Dezembro de 2012 e começa outro, que deverá desenrolar-se da seguinte maneira:

Quadratura Crescente: em Março de 2015;

Oposição: em Julho de 2015;

Quadratura Minguante: em Novembro / Dezembro de 2015; por conta do movimento retrógrado de Marte, essa quadratura de repete de Abril a Junho de 2014;

Nova conjunção: Outubro de 2016.

Fique atento. E aproveite para usar os momentos cíclicos a seu favor, em vez de nadar contra a correnteza cósmica.

Dica cinematográfica: o filme  “O Pescador de Ilusões” (The Fisher King, USA, 1990), onde você vai ver como os mais improváveis heróis resgatam os mais improváveis ideais, em meio às agruras do mundo.

Robin Williams e Jeff Bridges em cena de “O Pescador de Ilusões”