Arquivo mensal: janeiro 2017

Vênus em quadratura com Saturno

Vênus, o planeta do amor, e o estruturador Saturno se colocam em ângulo de noventa graus (quadratura),
indicando tormentosas crises afetivas.

sao-paulo

São Paulo

Essa quadratura ocorre neste dia 27 de Janeiro e indica uma crise emocional que traz a possibilidade de abalos nos alicerces dos relacionamentos.

“Em todo casamento, ao final de uma semana já há motivos suficientes para o divórcio; o importante é ir encontrando sempre motivos outros, que justifiquem a união”, é o que diz o escritor americano Robert Anderson. Ou seja, a grande maestria está em edificar, por sobre as constantes dificuldades, as sólidas bases que sustentam o amor. E lembre-se do que disse São Paulo: O amor é a maior de todas as virtudes; só nos realizamos no amor, à medida em que o outro se realiza.

Esse modo de pensar pressupõe um nível avançado de maturidade emocional dos parceiros afetivos, pois exige que cada um se abstenha da própria individualidade (na medida certa!) em prol da felicidade do outro. Pressupõe, ainda, que duas pessoas se unem para construírem, juntos, a felicidade de ambos.

Mas, ninguém pode fazer ninguém feliz!

E qual o grande problema da maioria das pessoas que se sentem carentes afetivamente?

Elas pensam: “Preciso que Fulano (ou Fulana) me faça feliz!”

A cultura novelística e cinematográfica se encarregou de criar mitos como o da “alma gêmea”, aquela pessoa que “nasceu para me fazer feliz”. E, ainda que tenha nascido do outro lado da Terra, todas as “forças cósmicas” se encarregarão de unir esses corações predestinados.

É lamentável…

Na verdade, a forma mais saudável e madura de pensar seria: “Já que eu sou tão feliz, posso partilhar a minha felicidade com mais alguém!”

Observe a diferença: no segundo caso, alguém pretende dividir com um parceiro a felicidade que já possui, sozinho. No primeiro, alguém pretende exigir de alguma pobre vítima a realização de sua felicidade.

E isso não é relacionamento, é suicídio emocional.

Se você não vivencia, neste momento, uma relação a dois, aproveite a quadratura entre Vênus e Saturno para repensar as suas crenças e as suas expectativas acerca do amor e dos relacionamentos. Talvez você possa, com essa reflexão, edificar um futuro muito mais promissor, em termos de sua plenitude emocional.

E se você vivencia, neste momento, uma relação, fique atento, durante os próximos dias: a quadratura entre Vênus e Saturno poderá testar a firmeza de seu relacionamento, sacudindo as estruturas para ver até que ponto elas estão bem firmadas e sólidas.

Portanto, não seja avaro de carinho, não poupe palavras gentis e gestos doces. Não permita que a frieza e a rigidez venham a restringir seus sentimentos. E sobretudo espante o egoísmo que pode abalar as bases de seu afeto. E lembre-se: qualquer crise é uma oportunidade para o fortalecimento e renovação, desde que saibamos lidar com ela.

 

Anúncios

Os Magos Astrólogos e a Estrela de Belém

6 de Janeiro, dia dos Reis Magos, dia do Astrólogo

Muitos pesquisadores, ao longo dos séculos, se fizeram a pergunta que, ainda hoje, incomoda a muita gente:

 “Os Reis Magos que foram a Belém saudar o nascimento de Jesus seriam astrólogos ?”

E alguns dos leitores desta coluna também nos questionam sobre a possibilidade, uma vez que um astro foi o anunciador da boa nova.

Bem, vejamos…

O Santo Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus nos conta (Cap. 2) que, havendo nascido Jesus “em Belém de Judá, em tempos do rei Herodes, eis que vieram do Oriente uns magos a Jerusalém, dizendo: ‘Onde está o rei dos judeus, que é nascido? Porque vimos no Oriente a sua estrela e viemos adorá-lo.’ (…) e logo a estrela que tinham visto no Oriente lhes apareceu, indo adiante deles, até que, chegando, parou sobre onde estava o menino. E quando eles viram a estrela foi sobremaneira grande o júbilo que sentiram. E entrando na casa, acharam o menino com Maria, sua mãe, e prostrando-se, o adoraram. E abrindo os seus cofres, lhe fizeram suas ofertas de ouro, incenso e mirra.”

Segundo essa tradição, uma estrela teria guiado os três “Reis Magos” até o presépio de Belém. Mas, na realidade, estes nobres personagens seriam não apenas soberanos, mas sem dúvida Magos, no sentido antigo e preciso do termo, isto é, sábios, filósofos e astrólogos do Irã ou da Babilônia. Até mesmo por que naquela época, era comum o soberano ser também um sacerdote, um sábio e, conseqüentemente, um astrólogo.

Teorias existem acerca da “Estrela de Belém”. Há quem diga que era um cometa; Johannes Kepler, astrônomo e astrólogo alemão, considerado um dos maiores gênios da Humanidade, desenvolveu a teoria de que a estrela seria, na realidade uma excepcional conjunção entre Marte, Júpiter e Saturno, que, sobrepondo-se no céu, teriam apresentado o aspecto de uma única estrela gigante.

Preferimos deixar esse enigma sem solução, mais um dos muitos e fascinantes mistérios da Tradição Cristã. O que importa, de qualquer modo, é o inegável patrocínio celeste, estes sinais do Céu, associados ao nascimento d’Aquele que seria o Salvador da Humanidade.

Diz o historiador Bouché-Leclerq, citado por Serge Hutin, em seu História da Astrologia:

“Dizer que Deus se servira de um astro para avisar aos magos, simplesmente porque eram astrólogos, não enfraquece a conclusão: haviam sido avisados, e, portanto, compreendiam os sinais celestes.”

Ou seja, eram astrólogos os magos que adoraram Jesus. Conheciam a linguagem dos astros e, por isso, puderam compreender a sua mensagem e chegar em tempo de adorar a Criança.

No dia 06 de Janeiro, inclusive, dia consagrado aos Reis Magos, é comemorado o Dia Mundial do Astrólogo.

Esta bela passagem, um dos pontos altos da História da Humanidade, traz em seu bojo e seu significado uma importante mensagem: a de que, através dos sinais dos céus podemos chegar mais perto da Criança Crística, não só aquela que está nos templos e nas igrejas, mas sobretudo aquela que trazemos em nosso coração.

Como reflexão, o poema de Rudolph Steiner, codificador da Antroposofia, com o qual saudamos todos os homens e mulheres que, ao longo da História, em tempos passados ou contemporâneos, ousaram praticar a nobre arte de ler os sinais celestes e transformá-los em informações significativas para a Humanidade.

 

“Se quisermos festejar o Natal

De modo cristão, deverá existir

Em nós próprios um Pastor e um Rei.

 

Um Pastor que ouve o que outras

Pessoas não ouvem, e que

Com todas as formas de dedicação

More logo abaixo do céu estrelado;

A esse Pastor, anjos anseiam por

Revelar-se.

E um Rei que distribua dádivas;

Que não se deixa guiar por nada mais

A não ser pela estrela das alturas.

E que se põe a caminho,

Para ofertar todas as suas dádivas

Ao pé de uma manjedoura.

 

Mas além do Pastor e do Rei

Deverá existir também em nós, uma

Criança

Que quer nascer agora!”

Feliz dia dos Reis Magos!!! Feliz dia do Astrólogo!!!

Vênus entra no signo de Peixes

Continuando seu eterno caminho pelo círculo zodiacal, o planeta Vênus adentra o signo de Peixes, neste dia 03 de Janeiro de 2017, indicando o início de uma fase de entrega e sensibilidade afetiva.

Senhora dos risos e das graças, inspiradora dos afetos e das paixões, a bela Aphrodite é a deusa da Beleza e do Amor. O planeta Vênus, associado a este arquétipo mitológico, vai simbolizar exatamente a dimensão do afeto e da beleza em nós.

Fowler_AphroditeCom a entrada de Vênus em Peixes, inaugura-se um ciclo em que o Amor atinge o grau máximo de entrega e dissolvência, convidando-nos a abraçar-nos serenamente nele, contemplando-o.

A Aphrodite Pandêmia era a inspiradora dos amores carnais; a Aphrodite Urânia, por outro lado, era a que revelava os amores etéreos, sublimes. Ambos são manifestados através de seu filho Eros  (= “o desejo incoercível dos sentidos”), o Amor, amálgama do Universo.

Vênus em Peixes vai nos instigar a buscar a compreensão deste sentimento etéreo, que nos aproxima de Deus e sem o qual a vida perde seu sentido, como nos ensina São Paulo em sua II Epístola aos Coríntios: “Ainda que eu fale a linguagem dos homens e dos anjos, se não tiver Amor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine. (…)Agora , pois, permanecem a Fé, a Esperança e o Amor. Estes três. Porém, o maior deles é o Amor”.

Durante a estada de Vênus em Peixes, o Cosmos nos convida a uma contemplação da Beleza e do Amor, refletindo acerca da dimensão desse sentimento dentro de nós e acerca do nível de entrega a que nos submetemos por conta dele, em qualquer nível de relacionamento, seja familiar, seja de amizade, seja afetivo.

Dica Cinematográfica

O filme Ben-Hur, (Ben-Hur, USA, 2016), com direção de Timur Bekmambetov e estrelado por Jack Huston e Morgan Freeman, contando com a ben-hurparticipação especialíssima do ator brasileiro Rodrigo Santoro, no papel de Jesus.

Trata-se da refilmagem de uma clássico épico do cinema, de 1959, com o grande Charlton Reston no papel principal.

Você vai conhecer a história de Judah Ben-Hur, um nobre judeu injustamente acusado de traição e condenado à escravidão. Muitas reviravoltas depois, ele retorna a sua terra e busca vingança.

Mas, diferentemente da versão original, a versão de 2016 tem um final absolutamente surpreendente e que tem tudo haver com a passagem de Vênus em Peixes.

Vale a pena conferir.