Arquivo mensal: fevereiro 2017

Eclipse Solar Total

Um dos mais belos fenômenos da natureza – o eclipse solar total – ocorre nesse dia 26 de Fevereiro,

trazendo uma grande carga de significados para a Humanidade.

Sempre que ocorre um eclipse, mil e uma histórias são contadas e recontadas, evocadas de um passado distante, cujos conceitos teimam em assombrar o imaginário do homem moderno com prenúncios de catástrofes ou de espíritos agourentos.

total-solar-elipse-diamondring-1Folclores à parte, as grandes questões que se propõem são as seguintes: qual o significado de um eclipse e como se verificam os seus efeitos em nossa vida cotidiana?

A palavra eclipse vem do grego ekleipsis, que significa, em uma tradução livre, desmaio. Do ponto de vista astronômico, um eclipse ocorre quando a luz de um astro é ocultada por outro ou pela sombra de outro. No caso presente, o Sol é ocultado, pois ficará, no momento da Lua Nova, “por detrás” do disco lunar. Ou seja, a Lua, entre o Sol e a Terra, impede que a luz solar chegue até nós, causando uma inesperada e momentânea noite, quando já é dia.

Do ponto de vista astrológico, um eclipse significa um desmaio, uma falência de uma das luzes celestes que compõem a totalidade da psique. Afinal, é isso o que os astros representam: partes da alma. E já que tudo está relacionado entre si, quando uma dessas luzes se apaga, no céu, apaga-se também a correspondente luz dentro de nós.

Um eclipse, portanto, representa um desmaio que ocorre dentro de nossa psique, um apagão emocional que desencadeia uma espécie de black-out daquela parcela de nossa alma.

Um detalhe: após a escuridão, a luz ressurge, após o desmaio, retorna a consciência. Ao retornar a luz, porém, não somos mais os mesmos. Algo foi reformulado, inapelável e inevitavelmente, pela escuridão do eclipse. Ou seja, o pós-eclipse enseja um renascimento e uma transformação.

O eclipse ocorre aos oito graus do signo de Peixes, signo das dimensões coletivas, da contemplatividade, da espiritualidade. Se você já tem o seu mapa astrológico, poderá avaliar que área da vida (que Casa astrológica) ou que planetas serão mais afetados pelo fenômeno.

Lembramos que Peixes está associado aos conceitos de dissolvência e renúncia. O eclipse é um convite a uma reflexão acerca daquilo a que precisamos renunciar em nossa vida; assim como, aquilo que precisamos dissolver, destruir, desconstruir em nossa vida e nossos comportamentos.

Ao ressurgir do black-out, o Sol nos traz a possibilidade de ir além da forma de nossa própria estrutura egóica, a fim de redefinir a nossa identidade, especialmente no que diz respeito aos nossos desejos e nossas paixões.

Como disse Chaplin, aquilo que é mais profundo em teu ser, daí emergem os teus mais verdadeiros desejos; e dos teus mais verdadeiros desejos, daí charlie-chaplinemerge a tua mais inabalável vontade.

E essa vontade será capaz de construir o nosso destino.

Porém, às vezes é preciso demolir para depois reconstruir. E se não demolimos o que precisa der demolido, o destino se encarrega de ajustar as coisas para nós, mesmo que de maneiras nem sempre suaves.

Nós, seres humanos vivemos ofuscados pelo nosso próprio brilho e exuberância ou pela iridiscência da insana sociedade que construímos. Às vezes, é preciso que um pouco dessa luz se apague para que, na suave penumbra de nossa alma, possamos contemplar a inteireza de nossa essência.

Durante os dias seguintes ao fenômeno, sob impacto do eclipse, você pode aproveitar a oportunidade para refletir sobre a sua necessidade de ação e impulso. E começar a agir de acordo.

Uma sugestão: o eclipse terá seu ponto máximo às 11h58 (hora de Brasília).

Procure acompanhá-lo. Se você não reside na zona que será sombreada, pode assistir a alguma transmissão ao vivo pela internet.

Além de ser um belíssimo espetáculo celeste (e inteiramente gratuito, diga-se de passagem), o fato de contemplar, do lado de fora, o apagar da luz do Sol, poderá ajudar a compreender, do lado de dentro, o desmaio de nosso Sol interno.

O fenômeno poderá ser visto na maior parte do território brasileiro, mas apenas parcialmente. Ou seja, para os brasileiros, o eclipse será parcial e não total.

Para maiores informações de caráter astronômico, consulte o site Astronomia no Zênite (www.zenite.nu) ou o Momento Astronômico do site Climatempo (www.momentoastronomico.com.br).

Dica Cinematográfica

Cena de Eclipse Mortal

O filme Eclipse Mortal (Pitch Black, USA, 2000), dirigido por David Twohy e estrelado pelo fortão Vin Diesel. Aparentemente, um filme de ficção científica de aventura, com um toque de terror, sem maiores pretensões. Mas ilustra muito bem o conceito do que acontece com a alma humana após o “desmaio”. Vale a pena conferir. Mas só para quem estiver a fim de olhar bem de perto a cara de seus demoninhos interiores, que o apagar das luzes às vezes mostra!

 

 

Observando um Eclipse

A observação do Sol exige cuidados especiais, que no entanto são simples e eficientes, se seguidos corretamente. Danos permanentes à visão podem ocorrer a quem tentar observar o Sol diretamente, usando câmeras, binóculos ou a olho nu. Ainda que apenas 1% da superfície solar esteja visível, o brilho será cerca de 10.000 vezes superior ao da Lua Cheia.

Um dos métodos mais seguros e práticos para observação é a projeção da imagem do Sol num anteparo, através de um bsolar_projectioninóculo ou uma luneta. A proteção de um dos lados do binóculo deve ser mantida e, no caso do uso de um telescópio, lembre-se de proteger a buscadora.

Procure a melhor distância entre a tela e o binóculo. Um tripé para o instrumento com certeza será útil. Talvez também seja necessário ajustar o foco para que a imagem fique nítida. Além disso é conveniente usar um anteparo para produzir sombra e realçar a imagem, no caso de observações prolongadas (veja foto à direita).

Nunca olhe através do binóculo ou do telescópio afim de apontá-los para o Sol. Faça isso por simples tentativa e erro – jamais olhando diretamente. O uso de radiografias antigas para observação direta do Sol é igualmente desaconselhável.

 

Anúncios

Marte em Quadratura com Plutão e Conjunção com Urano

 

 Marte ativa a quadratura entre Urano e Plutão, indicando a possibilidade de exacerbação de forças

ocultas em nosso interior, de forma destrutiva ou agressiva.

Atenção! A triangulação Marte-Plutão-Urano é sinal de processos explosivos.

O planeta Plutão é o catalisador e desencadeador dos processos de transformação: ele destrói, aniquila, para que outra coisa possa existir. Urano,raiva renova e revoluciona, o que nem sempre acontece de maneira suave. Marte, por sua vez, representa os nossos potenciais combativos, guerreiros, que, se não canalizados de forma correta, tornam-se em agressividade gratuita, fruto de uma raiva contida.

Sabemos, porém, que a raiva nunca é à-toa; ela é, isso sim, filha de algum sentimento desagregador, mais notadamente, o medo.

O medo é um inimigo poderoso, pois pode até nos paralisar, impedindo-nos de avançar em busca de nossos objetivos. Em outras circunstâncias, ele nos deixa com a sensação de impotência, o que nos faz sentir fragilizados, levando-nos a nos defender do mundo que, aparentemente, nos ameaça. E daí vêm a agressividade e a raiva.

O que é interessante é fazer o exercício, nem sempre tão simples, de analisar, de forma imparcial e objetiva, a raiz emocional oculta, que normalmente está por trás dessas explosões ou desses sentimentos agressivos. Essa raiz oculta pode estar associada ao medo, mas será também fruto, por exemplo, da frustração, da impotência, do sentimento de rejeição e vai por aí afora.

Portanto, antes de descarregar em cima de alguém toda uma carga de violenta emocionalidade, pare para contar até dez e pense com serenidade em sua próprias frustrações. Aumente um pouco o tamanho de seu pavio, pois, nos próximos tempos, por conta da triangulação Marte-Plutão-Urano, o que nós pensávamos ser uma simples bombinha de São João pode ter o efeito de uma bomba atômica, catalizando os nossos excessos emocionais, nossa raiva e nosso medo.

E as pessoas ao nosso redor não têm culpa de nossas limitações e ranços internos…

Vença seus medos, controlando, assim, sua raiva. Encare-os como desafios a serem vencidos e não como algo que pode paralisar as suas ações. Ou, ao contrário, condene-se a um eterno vagar pelas impossibilidades e pela infelicidade.

 

antwone-fisher

Dica cinematográfica

O filme Voltando a Viver (Antwone Fisher, USA, 2002), o primeiro dirigido por Denzel Washington, baseado na história real de Antwone Fisher, fuzileiro naval americano, com o qual você irá aprender as consequencias de disparar indiscriminadamente a sua ira.

E, o mais importante, como fazer para transmutá-la.

 

 

O Sol entra no signo de Peixes

Dando continuidade ao seu eterno caminhar pela roda do Zodíaco, o Sol adentra o signo de Peixes,

iniciando uma fase de contemplatividade e busca espiritual.

Terceiro signo do elemento água, do ritmo mutável, o último signo do Zodíaco, Peixes representa o final de um ciclo, o momento em que, ao fim de uma jornada, alcançamos o resultado esperado e quedamos a contemplar a Obra da criação.Pisces

Mitologicamente, o signo de Peixes está associado aos dois delfins que, penalizados com o sofrimento de Netuno, o deus dos mares, ajudaram-no a conquistar a bela Amphritite, filha do titã Oceano. Os dois dedicados animais cruzaram os sete mares, vencendo a fome, os perigos e o cansaço, até conseguirem trazer Amphritite para os braços do amado.

Agradecido pelo sacrifício feito pelos delfins, Netuno houve por bem premiá-los, imortalizando-os nos céus, como um exemplo de doação e altruísmo, transformando-os na constelação de Pisces (os Peixes).

Trata-se de uma bela constelação, de visualização difícil, dividida em duas constelações menores, o Peixe Austral e o Peixe Boreal, unidas por uma estrela chamada Al Rischa, que, em árabe, significa o nó.

PiscesArquetipicamente, Peixes está associado ao Mar, o Grande Mar, berço de toda a Vida, de onde a Vida vem e para onde a Vida retornará.

Como gotinhas no caudal de um rio, vamos trilhando o curso que nos leva a esse Grande Mar. E quando lá chegamos, deixamos de ser gotinhas para, dissolvendo-nos no Oceano, confundirmo-nos com ele.

A entrada do Sol no signo de Peixes, neste dia 18 de Fevereiro de 2017, convoca-nos, portanto, para observarmos a Vida e a natureza com os olhos do contemplador, a fim de preparar-nos para a grande aventura que se começará quando o Sol entrar em Áries, o Iniciador. E nos convida a uma maior e mais efetiva busca espiritual, lembrando-nos que o eu não é a última instância do real; e que a realidade superficial das coisas é muito menos importante do que a Ordem superior em que ela se baseia.

Importante lembrar que, logo após a sua entrada em Peixes, o Sol faz conjunção com o planeta Netuno, regente do signo de Peixes, num encontro que propiciará multiplicar, em nossa alma, os fatores de percepção ampliada da realidade.

Isso nos traz uma outra possibilidade: a de tomarmos consciência do significado transcendente das coisas que nos cercam.

A esse respeito, conta-se uma linda história sobre uma aventura vivida pelo grande poeta Olavo Bilac.

Conta-se que o dono de um pequeno estabelecimento comercial, amigo do poeta, abordou-o na rua, dizendo:

“Sr. Bilac, estou precisando vender o meu sítio, que o Senhor conhece muito bem. olavo_bilacSerá que o Senhor poderia ajudar-me a redigir o anúncio?”

Bilac pegou o papel e escreveu:

“Vende-se encantadora propriedade, onde cantam os pássaros ao amanhecer no extenso arvoredo, cortada por cristalinas e marejantes águas de um ribeirão. A casa, banhada pelo sol nascente, oferece a sombra tranquila das tardes na varanda”.

Meses depois, o poeta encontra novamente o homem e pergunta-lhe se já havia vendido o sítio.

“Desisti dessa ideia”, respondeu o homem. “Depois que li o anúncio que o Senhor redigiu, é que percebi o grande tesouro que tinha”.

Assim como o personagem dessa história, às vezes ficamos apartados de uma visão mais profunda e ampla da realidade que nos cerca. E perdemos muitas oportunidades por isso. Com a conjunção entre o Sol e Netuno, em Peixes, talvez possamos ter mais clareza acerca daquilo que, verdadeiramente, importa. E nos conduzir a mais perto de Deus.

Nossos parabéns e votos de uma feliz celebração de aniversário
a todos os piscianos.

 

Dica cinematográfica

O filme Irmão Sol, Irmã Lua (Fratello Sole, Sorella Luna, Itália/Reino Unido, fratello_sole_sorella_luna_1971_vhs-it1972), dirigido por Franco Zefirelli.

Um belo filme, onde você vai conhecer a história de um homem que sabia direitinho o que era mais importante e tinha uma visão claríssima do nosso papel no Universo e do trabalho que devemos realizar em prol de nossos irmãos. E inspirou e continua inspirando milhões de pessoas até hoje.

O nome desse homem: Giovanni di Pietro di Bernardone. Mais conhecido com São Francisco de Assis.

Franco Zefirelli

Franco Zefirelli

Detalhe: o diretor Franco Zefirelli tem, no seu mapa natal astrológico, o planeta Urano no signo de Peixes, recebendo excelentes influxos de Plutão e Júpiter. Talvez por isso tenha sabido usar tão bem uma arte pisciana por natureza (o cinema) para retratar uma personalidade tão lindamente pisciana como a de Francisco.

Vênus entra no signo de Áries

         Em seu contínuo caminhar pela roda do Zodíaco, o planeta Vênus ingressa no signo de Áries, dando início a um ciclo de ativação do Amor e da Beleza.

Sendo Áries o primeiro signo do Zodíaco, símbolo por excelência do impulso inicial, da grande aventura do começar, a entrada de qualquer planeta em seus domínios é um indicativo do início de um novo ciclo zodiacal para aquele planeta.

A entrada de Vênus em Áries, nesse dia 03 de Fevereiro, portanto, é uma indicação poderosa do convite que nos faz o Cosmos a darmos novos impulsos às energias do feminino em nosso interior, a ativar nossos potenciais artísticos e criativos e, até mesmo, a resgatar a aventura e o dinamismo eSofrimentom nossos relacionamentos.

É fácil perceber todo o conjunto de fatores que contribuem para a exaltação dessa que se tornou a maior força emocional do Ocidente: o amor romântico. A literatura, o cinema, a música, enfim, muito do que circula ao nosso redor nos repete, incessantemente, que “é impossível ser feliz sozinho”.

Tomados por essa febre, saímos em busca de uma suposta “alma gêmea”. E quando acreditamos encontrar essa criatura, descarregamos nela, impiedosamente, todas as nossas expectativas e ansiedades, construindo uma imagem irreal, composta dos nossos próprios desejos e fantasias. Na maior parte das vezes, a “vítima” não consegue corresponder a essa imagem, o que nos frusta e decepciona, fazendo-nos concluir que “o amor é difícil” ou “amar é sofrer”.

Refletir sobre essas coisas talvez ajude você a chegar mais perto de compreender o amor verdadeiro. Afinal, ele existe sim. Mas lembre-se: o amor verdadeiro não é egoísta nem individualista; ele só se realiza à medida em que a felicidade do outro se realiza e à medida em que temos a coragem de abdicar de nossos próprios excessos egóicos a fim de contemplar, na face do outro, a Obra do Criador.

nunca-vou-entender-pedra-papel7E, claro, tem que ser conquistado todo dia.

Por outro lado, nesses tempos de aspereza, em que competir é mais importante do que cooperar, em que vencer é mais importante do que compartilhar, Vênus nos convida a (re)descobrirmos o valor da beleza, da Arte e a graça.

É necessário, porém, que todos façam a sua parte: cada um é responsável por contribuir para esse resgate, ativando em si a candura, o humor e a sensibilidade. Você até pode não ser um grande artista, capaz de realizar uma obra mirabolante, mas lembre-se sempre de que Viver é a suprema arte e o seu sorriso, a sua candura e o seu charme serão peças importantes no processo de escultura e moldagem de um novo painel universal, artisticamente belo e verdadeiramente transformador.

Detalhe: Vênus entrou em Áries neste dia 03 de Fevereiro. Retrograda (ou seja, anda para trás) a 04 de Março e, em seu movimento de retrogradação, volta a entrar em Peixes, no dia 02 de Abril. Em 15 de Abril, retorna ao movimento direto. E entra em definitivo no signo de Áries no dia 28 de Abril. E aí permanece até o dia 06 de Junho, quando ingressa em Touro.

Durante a retrogradação, Vênus chama nossa atenção para questões ligadas ao passado. Nesse período, portanto, fique atento: alguns fantasmas podem vir assombrar você. Mas lembre-se de que fantasmas são apenas isso: fantasmas…

Dica CinematográficaMelhor impossivel

O filme Melhor é Impossível (As Good As It Gets, USA 1997), comédia romântica dirigida por James L. Brooks e estrelada por Jack Nicholson e Hellen Hunt, premiados com o Oscar de melhor ator e melhor atriz por suas atuações nessa película.

Você vai conhecer a história de um insuportável escritor obsessivo-compulsivo e uma garçonete desencantada com a vida. E dessa improvável dupla, eclode uma relação em que ambos aprenderão a cultivar o sentimento e a contemplar os efeitos de sua ação sobre o desabrochar do outro.