Arquivo mensal: agosto 2017

Eclipse Solar Total

Um dos mais belos fenômenos da natureza – o eclipse solar total – ocorre nesse dia 21 de Agosto,

trazendo uma grande carga de significados para a Humanidade.

Sempre que ocorre um eclipse, mil e uma histórias são contadas e recontadas, evocadas de um passado distante, cujos conceitos teimam em assombrar o imaginário do homem moderno com prenúncios de catástrofes ou de espíritos agourentos.

total-solar-elipse-diamondring-1Folclores à parte, as grandes questões que se propõem são as seguintes: qual o significado de um eclipse e como se verificam os seus efeitos em nossa vida cotidiana?

A palavra eclipse vem do grego ekleipsis, que significa, em uma tradução livre, desmaio ou ainda desaparição. Do ponto de vista astronômico, um eclipse ocorre quando a luz de um astro é ocultada por outro ou pela sombra de outro. No caso presente, o Sol é ocultado, pois ficará, no momento da Lua Nova, “por detrás” do disco lunar. Ou seja, a Lua, entre o Sol e a Terra, impede que a luz solar chegue até nós, causando uma inesperada e momentânea noite, quando já é dia.

Do ponto de vista astrológico, um eclipse significa um desmaio, uma falência de uma das luzes celestes que compõem a totalidade da psique. Afinal, é isso o que os astros representam: partes da alma. E já que tudo está relacionado entre si, quando uma dessas luzes se apaga, no céu, apaga-se também a correspondente luz dentro de nós.

Um eclipse, portanto, representa um desmaio que ocorre dentro de nossa psique, um apagão emocional que desencadeia uma espécie de black-out daquela parcela de nossa alma.

Um detalhe: após a escuridão, a luz ressurge, após o desmaio, retorna a consciência. Ao retornar a luz, porém, não somos mais os mesmos. Algo foi reformulado, inapelável e inevitavelmente, pela escuridão do eclipse.

Ou seja, o pós-eclipse enseja um renascimento e uma transformação.

O eclipse ocorre aos vinte e nove graus do signo de Leão, signo que associamos ao poder, à individualidade, ao brilho pessoal, à conquista. Se você já tem o seu mapa astrológico, poderá avaliar que área da vida (que casa astrológica) ou que planetas serão mais afetados pelo fenômeno., observando em que casa do seu mapa está o ponto do grau vinte e nove do signo de Leão

Lembramos que Leão está associado ao conceito de nobreza humana e de renúncia ao ego. O axioma máximo de Leão é “Quando me elevo, brilho. Mas quando alcanço o Centro, não brilho. o Espírito brilha através de mim”. O eclipse é um convite a uma reflexão acerca daquilo a que precisamos renunciar em nossa vida, para resgatar a nobreza a que somos destinados a alcançar; assim como, aquilo que precisamos dissolver, destruir, desconstruir em nossa vida e nossos comportamentos, para que o Espírito brilhe em nós.

Ao ressurgir do black-out, o Sol nos traz a possibilidade de ir além da forma de nossa própria estrutura egóica, a fim de redefinir a nossa identidade, especialmente no que diz respeito aos nossos desejos e nossas paixões.

Como disse Chaplin, “aquilo que é mais profundo em teu ser, daí emergem os teus mais verdadeiros desejos; e dos teus mais verdadeiros desejos, daí charlie-chaplinemerge a tua mais inabalável vontade”.

E essa vontade será capaz de construir o seu destino.

Porém, às vezes é preciso demolir para depois reconstruir. E se não demolimos o que precisa der demolido, o destino se encarrega de ajustar as coisas para nós, mesmo que de maneiras nem sempre suaves.

Nós, seres humanos vivemos ofuscados pelo nosso próprio brilho e exuberância ou pela iridiscência da insana sociedade que construímos. Às vezes, é preciso que um pouco dessa luz se apague para que, na suave penumbra de nossa alma, possamos contemplar a inteireza de nossa essência.

Durante os dias seguintes ao fenômeno, sob impacto do eclipse, você pode aproveitar a oportunidade para refletir sobre a sua necessidade de renúncia egóica e entrega espiritual. E começar a agir de acordo.

Uma sugestão: o eclipse terá seu ponto máximo às 17h15 (hora de Brasília).

Procure acompanhá-lo. Se você não reside na zona que será sombreada ou se porventura prefere não se expor ao eclipse, pode assistir a alguma transmissão ao vivo pela internet.

Além de ser um belíssimo espetáculo celeste (e inteiramente gratuito, diga-se de passagem), o fato de contemplar, do lado de fora, o apagar da luz do Sol, poderá ajudar a compreender, do lado de dentro, o desmaio de nosso Sol interno.

O fenômeno poderá ser visto em uma parte do território brasileiro, mas apenas parcialmente. Ou seja, para os brasileiros, o eclipse será parcial e não total.

Para maiores informações de caráter astronômico, consulte o site Astronomia no Zênite (www.zenite.nu) ou o Momento Astronômico do site Climatempo (www.momentoastronomico.com.br).

Dica Cinematográfica

Cena de Eclipse Mortal

O filme Eclipse Mortal (Pitch Black, USA, 2000), dirigido por David Twohy e estrelado pelo fortão Vin Diesel. Aparentemente, um filme de ficção científica de aventura, com um toque de terror, sem maiores pretensões. Mas ilustra muito bem o conceito do que acontece com a alma humana após o “desmaio”.

Vale a pena conferir.

Mas só para quem estiver a fim de olhar bem de perto a cara de seus demoninhos interiores, que o apagar das luzes às vezes mostra!

Anúncios

Conflito envolvendo Vênus, Júpiter e Plutão

Vênus, Júpiter e Plutão formam a configuração conhecida como “Quadratura T”, indicando a possibilidade de crises e conflitos afetivos de grande intensidade.

 

Alguns leitores desta coluna por diversas vezes já questionaram este autor, no que diz respeito a uma suposta predileção pelos eventos astrológicos envolvendo o planeta Vênus.

Vênus rege a beleza, a arte, a sensibilidade e, sobretudo, o amor, o afeto e todas as suas formas de expressão. E poucas coisas são tão presentes em nossa vida quanto o amor, considerado por muitos a maior força emocional do Ocidente.

Sendo assim, é natural que os eventos astrológicos envolvendo Vênus nos mobilizem de uma forma especial. Não que haja nenhuma “predileção”. Mas, se Vênus está formando configurações significativas com outros astros, provavelmente isso causará algum tipo de impacto sobre todas as pessoas, em todo o mundo, em maior ou menor escala.

Nesta semana, um desses eventos significativos ocorre: Vênus se posiciona, dentro da roda zodiacal, a 180 graus de distância de Plutão, o que chamamos de oposição. Por sua vez, Júpiter e Plutão se colocam a 90 graus, ou seja, uma quadratura. E Júpiter fecha o cerco, também a 90 graus de Vênus. Isso perfaz a configuração, extremamente tensa, que se chama em Astrologia de “Quadratura T”.

Isso pode desencadear crises e conflitos de grande intensidade.

Porém, é sempre importante lembrar, uma crise pode traduzir algum tipo de perigo, mas sempre trará, igualmente, oportunidades.

No caso da Quadratura T entre Vênus, Júpiter e Plutão, a oportunidade se dá quando a crise faz emergir ranços e emocionalidades não resolvidas, por vezes muito antigas, mas nem por isso menos desagregadoras. Isso pode desencadear situações que exigirão de nós coragem e humildade.

A esse respeito, há um interessante mito, uma das mais belas páginas da mitografia grega, que conta a história de Admeto e sua esposa Alceste.

Admeto, rei da Tessália, havia conseguido de Apolo, o deus-sol, a dádiva de, chegando a hora de sua morte, ter seu tempo de vida prorrogado, desde que alguém se dispusesse a morrer em seu lugar. Quando Tânatos, o deus da Morte, veio buscá-lo, Admeto procurou entre os seus súditos alguém que se dispusesse a morrer por ele. Mas, apesar de ser um rei muito amado por seu povo, ninguém se habilitou a tal sacrifício. Nenhum de seus irmãos, primos ou parentes se ofereceu. E até mesmo seus pais, apesar de muito velhinhos, se dispuseram a abandonar a vida, em favor do filho.

Diante disso, a bela rainha Alceste prontifica-se ao sacrifício e voluntariamente decide acompanhar Tânatos ao Hades, o reino dos mortos (domínio do deus Plutão!), para que seu amado esposo pudesse viver.

E assim é!

Em meio às lágrimas do povo, Alceste se despede de suas irmãs, de seus filhos, de seus pais e de seu marido, entregando-se de bom grado ao abraço da morte, por consenso de que seria mais útil aos filhos a presença do pai do que da mãe.

Em meio ao luto do país e da família, chega ao Palácio de Admeto o poderoso Hércules, filho de Júpiter e o maior herói da Mitologia. Sem nada saber da tristeza que assolava aquela casa, Hércules pede pousada por uma noite, no que é prontamente atendido, mesmo porque a hospedagem era um ato sagrado, na Grécia daqueles tempos.

Enquanto se banhava, Hércules bebe o vinho oferecido pelos servos de Admeto, canta e faz gracejos e se espanta que as pessoas não o acompanhem em sua alegria. Descobre, então, pasmado, o luto que se abate sobre a família que o hospeda e, tomado de vergonha pelo barulho que fizera, pergunta a uma serva há quanto tempo a morte levou sua senhora. “Há pouco mais de duas horas”, responde a chorosa criada. E conta toda a história da escolha voluntária da rainha.

Num ímpeto de comoção e entusiasmo, o herói toma uma decisão: vai partir em busca de Tânatos e trará Alceste de volta à vida, ou morrerá tentando. E assim parte Hércules, em meio ao espanto entremeado de esperança que se espalha pela casa e pelo país.

A corrida agora é contra o tempo: se Hércules alcançar Tânatos antes que este chegue às margens do Rio Estige (o rio que circunda o Hades), terá uma chance de sucesso. Em caso contrário, será tarde demais.

Hércules, porém, corre com a velocidade do pensamento e, enfrentando mil perigos, alcança Tânatos em tempo e, desafiando-o a um combate, exige que lhe devolva a psique de Alceste, para que possa restituir-lhe a vida ao corpo. O anjo da morte quase não acredita na ousadia de Hércules. Mas nem por isso se furta ao combate. E a terra treme ante a fúria dos dois titãs, que se envolvem em luta encarniçada.

Hércules triunfa!

E retorna ao palácio de Admeto e restitui o alento vital a Alceste, que desperta para a vida, para a felicidade e gratidão de todos os súditos, familiares e, especialmente, do esposo.

E o casal real vive feliz por muitos e muitos anos mais.

Não é uma bela história?

Agora, vejamos que significados podemos extrair dela. Observe que cada personagem do mito é parte de nossa própria alma, um pedaço de psique.

Admeto representa os padrões emocionais, conscientes ou inconscientes, que trazemos do passado. Assim como Admeto, muitas vezes fazemos pactos, que, sem que possamos perceber, pautam nossas escolhas e nosso destino. Repetimos padrões, muitas vezes aprendidos desde a infância, outras vezes criados por nós mesmos, como mecanismos de defesa. E criamos situações que possam confirmar nossas crenças e padrões. O ciúme é um exemplo clássico de um desses padrões; o controle excessivo sobre o outro, a possessividade que sufoca, é outro exemplo.

Alceste é a representação do amor, do afeto. A qualidade da relação, que será sacrificada para que nós possamos cumprir com os nossos pactos, mantendo os padrões emocionais desagregadores.

Tânatos, o anjo da morte, significa a reciclagem, a possibilidade de transformação. A morte de Alceste, ainda que rapidamente revertida pela intervenção de Hércules, representa a transmutação alquímica necessária ao processo de crescimento e desenvolvimento. A dissolução dos padrões desagregadores e a abertura a novos comportamentos.

Hércules é o herói interno, a parte de nossa alma que decide e se lança, buscando romper os padrões. Carrega em si a coragem e a iniciativa para mudar.

Durante esta semana, com a Quadratura T entre Vênus, Júpiter e Plutão, você terá a oportunidade de resgatar a sua Alceste interna das garras da morte. Isso pode se dar por meio de uma crise ou por meio de um processo de conscientização.

Se for pela consciência, ótimo!

E se for pela crise, saiba transformá-la em oportunidade de crescimento.

E lembre-se: um amor vivo é um amor em conflito, na eterna dinâmica do morrer e renascer.

Dica Cinematográfica

O filme Álbum de Família  (August: Osage County, USA, 2013), dirigido por John Wells e estrelado por um 

 

super elenco que inclui Julia Roberts, Merryl Streep, Chris Cooper, Sam Shepard e Ewan McGregor, entre outros…

Você vai conhecer a história de uma família cujos membros são prisioneiros de pactos secretos do passado. E que se transformam em amargura para as relações.

Alceste precisa ser resgatada urgentemente…

Nesta madrugada, o máximo da chuva de meteoros Perseidas!!!

Espetáculo nos Céus: os Perseidas atingem seu máximo, em torno das quatro horas da madrugada de 13 de Agosto de 2017.

As Lágrimas de São Lourenço nos abençoam!!!

Uma chuva de meteoros acontece quando o planeta Terra passa pelo rastro de algum meteoro.

Ao longo do ano, há vários momentos em que podemos observar esse belo fenômeno celeste.

A chuva de meteoros dos Perseidas já vem acontecendo desde Julho e poderá ser observada até o dia 24 de agosto. Neste 13 de Agosto, os Perseidas atingem seu máximo, chegando a um gradiente de 100 bólidos por hora, o que dá mais de um por minuto.

Esses meteoritos são chamados Perseidas porque o seu radiante (a região do céu de onde parecem se originar) está localizado na constelação de Perseus.

Ou seja, é da constelação de Perseus que os meteoros Perseidas se lançam à Terra, trazendo-nos uma linda mensagem de superação e força. Afinal, foi o grande herói Perseu que matou a Medusa, o pavoroso monstro que era mulher da cintura para cima, serpente da cintura para baixo, tinha serpentes no lugar dos cabelos e transformava em pedra qualquer ser vivo que olhasse para ela. E por conta desse e de muitos outros atos heróicos, Perseu teve a honra de ser transformado em uma constelação. E de lá do alto, arremessa-nos esses belos meteoros Perseidas, como sinais de que precisamos ter coragem, a cada dia, de vencer os monstros do medo, da violência, da ignorância…

Por sorte, este ano a Lua não irá atrapalhar a observação dos Perseidas, apesar de estar com 69% do seu disco iluminado. E você poderá observar os Perseidas em sua fase de maior incidência até três dias após esta madrugada do dia 13, quando a Lua estará ainda menos brilhante.

O mapa mostra a posição da constelação de Perseus, às 4h00 do dia 14, vista do Nordeste do Brasil, que será a posição mais favorável para a observação.

Em outras regiões, pode haver algumas pequenas variações, mas deve ser suficiente para um referência.

Se você estiver acordado ou estiver voltando da balada, vale a pena dar uma olhadinha na direção norte do céu e procurar Perseus.

E embora o melhor momento seja a partir das 4h, vale a pena começar a observar a partir das 2h. Talvez você tenha a sorte de ver algumas das estrelas cadentes (como também são chamados os meteoros).

E vale até fazer um pedido!

Detalhe

Os Perseidas também são chamados de “Lágrimas de São Lourenço“, porque, segundo a lenda sobre esse grande santo, no dia da sua morte, em 10 de Agosto de do ano de 258, houve uma linda chuva de meteoros.

O planeta Vênus entra no signo de Câncer

Em seu contínuo caminhar pelo círculo zodiacal, o planeta Vênus ingressou, neste dia 31 de Julho, no signo de Câncer, dando início a um ciclo de interiorização em busca do sentimento e da afetividade.

Assim como a ostra se recolhe e, em seu interior, elabora a pérola de magnífica beleza, assim como a semente lançada ao solo se recolhe ao interior da mãe terra a fim de fazer brotar a futura plantinha, da mesma forma, o ser humano precisa, por vezes, interiorizar-se, recolher-se, a fim de resgatar a dimensão do belo existente dentro de si.

CâncerA entrada de Vênus em Câncer indica que é hora de fazer esse mergulho. E isso não quer dizer que você vá se privar do prazer de estar com quem você ama para ficar paparicando-se a si mesmo, narcisicamente, diante do espelho. Contudo, como dizia Emerson, você pode viajar o mundo inteiro à procura do belo, mas só o encontrará se levá-lo dentro de você.

É esse belo que precisamos o tempo todo resgatar e revitalizar.

Esse processo de interiorização, proposto pela passagem do planeta Vênus em Câncer, irá nos ajudar a entender melhor duas coisas: primeira, a poética que podemos conferir ao amor, fazendo da relação uma verdadeira fonte de encanto;segunda, a compreensão da nossa capacidade de receber amor. Sim, porque sempre se fala em dar e saber dar amor, mas também é importante saber recebê-lo de forma simples e boa.

Saber receber, portanto, é arte. É a capacidade de fazer belo e importante o que se tenha. É a arte de bastar-se com o real em vez de chorar o impossível. E é, sobretudo, saber fazer feliz quem dá o amor, pois este se sentirá capaz de dar muito.

Reflita…

Importante notar que, ao longo do seu trajeto pelo signo de Câncer, Vênus faz um ângulo altamente favorável e estimulante com Netuno, Vênustrazendo ao momento ainda mais sensibilidade e afetividade. Então, aproveite: um certo clima de gostosa e nostálgica melancolia paira no ar, durante a estada de Vênus em Câncer.

Portanto, ponha para fora o seu seresteiro interior, acorde o seu poeta adormecido, resgate o apaixonado estudante que você foi um dia, pois o romance à antiga ainda tem muito o que nos encantar.  

Dica Cinematográfica O filme Só Precisamos de Amor (Den skaldede frisør ou Love Is All You Need, Dinamarca, França, Itália, 2012), da diretora Dinamarquesa Susanne Bier, que se tornou mundialmente conhecida pelo filme Em Um Mundo Melhor (Hævnen, Dinamarca, 2010).

Love-Is-All-You-NeedUma bela produção, com uma fotografia de tirar o fôlego, em que você vai ver esse mesmo clima melancólico ser o terreno fértil para o cultivo do amor, com todo o seu poder de transformação e renovação.

Você vai ver o ator Pierce Brosnan, famoso por interpretar o James Bond, o agente 007, fazer um improvável e acidentado par romântico com a bela atriz Trine Dyrholm e aprender sobre o poder das escolhas calcadas no amor e respeito próprios, associados a uma justa e saudável valorização do outro.