Arquivo mensal: julho 2018

Eclipse Lunar !!!

Ao entardecer deste dia 27 de Julho, aqueles que se dispuserem a voltar os olhos para o Céu apreciarão um espetáculo: o Eclipse Lunar!

Este é um evento cósmico de rara beleza, que chama nosso olhar para os céus.

E diante desse fenômeno, as grandes questões que se propõem são as seguintes: qual o significado de um eclipse e como se verificam os seus efeitos em nossa vida cotidiana?

A palavra eclipse vem do grego ekleipsis, que significa, em uma tradução livre, desmaio. Do ponto de vista astronômico, um eclipse ocorre quando a luz de um astro é ocultada por outro ou pela sombra de outro. No caso presente, a Lua será ocultada, pois ficará, no momento da Lua Cheia, dentro do cone de sombra projetada pela Terra. Ou seja, a Terra, entre o Sol e a Lua, impedirá que a luz solar chegue até a Lua que, sem luz própria, refletindo apenas a luz recebida do Sol, ficará parcialmente apagada.

No caso do Eclipse deste dia 27 de Julho, a Lua deverá adquirir, na fase máxima de ocultação, uma cor avermelhada, escura, o que faz com que o fenômeno seja também conhecido como lua de sangue.

Do ponto de vista astrológico, um eclipse significa um desmaio, uma falência de uma das luzes celestes que compõem a totalidade da psique. Afinal, é isso o que os astros representam: partes da alma.

E já que tudo está relacionado entre si, quando uma dessas luzes se apaga, no céu, apaga-se também a correspondente luz dentro de nós.

Um eclipse, portanto, representa um desmaio que ocorre dentro de nossa psique, um apagão emocional que desencadeia uma espécie de black-out daquela parcela de nossa alma.

Um detalhe: após a escuridão, a luz ressurge, após o desmaio, retorna a consciência. Ao retornar a luz, porém, não somos mais os mesmos. Algo foi reformulado, inapelável e inevitavelmente, pela escuridão do eclipse. Ou seja, o pós-eclipse enseja um renascimento e uma transformação.

O eclipse ocorrerá com a Lua em torno dos cinco graus de Aquário, enquanto o Sol estará aos cinco de Leão.  Se você tem o seu mapa astrológico, poderá avaliar que área da vida (que Casa astrológica) será a mais afetada pelo fenômeno.

Lembramos que o eixo Leão-Aquário é o eixo astrológico da centralização e que contrapõe o poder individual e o poder coletivo, assim como também dos fatores de centralização.

Este eclipse é, portanto, um convite a uma reflexão acerca daquilo que precisamos priorizar, em termos de exercício do poder: qual a justa medida de equilíbrio entre o poder que você exerce em seu próprio nome e o poder do qual você abdica, em prol da coletividade.

Mas o Sol em Leão nos convoca também à reflexão acerca da possibilidade de, ao exercer o poder, abdicar do próprio ego e suas mesquinhas necessidades.

Ao ressurgir do black-out, a Lua nos traz a possibilidade de ir além da forma de nossa própria estrutura egóica, a fim de redefinir a nossa identidade, especialmente no que diz respeito àquilo que temos colocado no Centro Sagrado da nossa vida.

Ou seja, o que, de fato, ocupa esse Centro Sagrado? Qual o valor ou valores a que ele atende? É o dinheiro que está no Centro Sagrado da sua vida? Ou o sexo? Ou a família? Ou o poder?

No Centro Sagrado de sua vida deve estar o Sagrado! Como quer que você O conceba!

E o eclipse talvez venha a trazer desafios que coloquem em cheque esses valores que você talvez esteja colocando, inapropriadamente, no seu Cento Sagrado.

Como disse Chaplin, aquilo que é mais profundo em seu ser, daí emergem oscharlie-chaplin seus mais verdadeiros desejos; e dos seus mais verdadeiros desejos, daí emerge a sua mais inabalável vontade.

E essa vontade será capaz de construir o seu destino.

Porém, às vezes é preciso demolir para depois reconstruir. E se não demolimos o que precisa der demolido, o destino se encarrega de ajustar as coisas para nós, mesmo que de maneiras nem sempre suaves.

Nós, seres humanos vivemos ofuscados pelo nosso próprio brilho e exuberância ou pela iridiscência da insana sociedade que construímos. Às vezes, é preciso que um pouco dessa luz se apague para que, na suave penumbra de nossa alma, possamos contemplar a inteireza de nossa essência.

Durante os próximos dias, ainda sob impacto do eclipse, você pode aproveitar a oportunidade para refletir sobre a sua necessidade de transformação. E começar a agir de acordo.

Ainda mais porque ocorre um outro fenômeno singularíssimo: o planeta Marte está em seu momento de maior aproximação da Terra, evento que só acontece a cada quinze ou dezesseis anos.

E por conta dessa aproximação o brilho de Marte está altamente intensificado, suplantando, inclusive, o do próprio Júpiter. Portanto, os fatores e significados associados a Marte estão, também, altamente intensificados.

E mais! O ponto do eclipse (cinco graus de Aquário) está em conjunção, ou seja, bem próximo, à posição de Marte (quatro graus de Aquário).

Ou seja, o eclipse tem seus efeitos multiplicados pela força de Marte.

Bem, essa não é uma boa notícia…

Na verdade, o eclipse, por si só, não é uma boa notícia. Sim, pois representa esse apagão emocional de que falamos, linhas acima. E seus efeitos sempre são perturbadores e desencadeadores de crises e desafios.

E a presença de Marte nos atesta que precisaremos ficar atentos, para os próximos tempos, pois os desafios que tivermos que enfrentar podem ter, também, sua carga de violência.

E não tenha medo se alguns demoninhos interiores aproveitarem para dar o ar de sua graça. Pois é, eles existem, sim. São os filhos das nossas próprias sombras internas. Nossos medos, ranços, frustrações, negações… E, quando a luz se apaga, eles criam coragem de aparecer à superfície. Aproveite e olhe-os bem de perto!

E com Marte dando o ar de sua graça, certamente eles ficarão mais soltos e agressivos.

Fique atento.

 E lembre-se de que cada eclipse é uma nova oportunidade de testemunharmos os desmaios em nossa alma. E, claro, o consequente redespertar, em seguida.

Dica cinematográfica

E como não poderia deixar de ser, aqui vai uma dicCena de Eclipse Mortala cinematográfica: Eclipse Mortal (Pitch Black, USA, 2000), dirigido por David N. Twohy e estrelado pelo saradão Vin Diesel, aparentemente só mais um assustador e eletrizante thriller de terror e ficção científica, porém riquíssimo em símbolos. Levantando, inclusive, questões significativas sobre religião, ética e justiça.

Mas essa dica é só para quem tiver a coragem necessária para olhar bem de perto a cara de seus demoninhos interiores, que o apagar das luzes às vezes mostra!

E se você não tiver (ainda) essa coragem, pode querer não assistir. Pois pode perder o sono…

Mas assista mesmo assim.

Afinal, uma obra de arte bem estruturada simbolicamente sempre nos ajuda a compreender e ajustar os desarranjos da nossa própria alma. Assim sendo, enquanto você “ajuda” o herói Riddik, vivido por Vin Diesel, a vencer a escuridão e matar alguns dos monstruosos seres devoradores de gente lá do filme, irá domando e controlando as sua próprias monstruosidades interiores.

 

Anúncios

O Sol entra em Leão

Continuando o seu caminhar pela roda do Zodíaco, o luminoso astro do dia ingressa, neste dia 22 de Julho, no signo de Leão, seu signo de regência, dando início a um ciclo de valorização da consciência e celebração da vida e da Luz.

Quinto signo do Zodíaco, segundo do elemento fogo e segundo do ritmo fixo, regido pelo Sol, Leão simboliza o poder em estado absoluto, como emanado diretamente das Potências celestiais. Do ponto de vista simbólico-cosmológico, portanto, Leão representa a hierarquia universal que aponta o centro, ao redor do qual tudo circula, como o ponto central de uma circunferência, que, segundo a Geometria, define a própria existência da circunferência.

Esse conceito talvez possa ser relacionado com a idéia aristotélica do motor imóvel. Segundo Aristóteles, tudo que existe tem uma causa imediata que se conecta com outra, até chegar à Causa de todas as causas. Por exemplo, a lâmpada se acende porque alguém acionou o interruptor, ativando a corrente elétrica; a corrente elétrica circula pelos fios porque há uma usina hidrelétrica que a gerou; a usina gera a eletricidade graças ao movimento de uma grande quantidade de água, em queda; essa água, por sua vez é alimentada pelo ciclo hídrico do planeta; e assim por diante, até que nós cheguemos à Causa sem causas de todas as causas, ou aquilo que Aristóteles chamou de motor imóvel: algo que movimenta tudo mas não é movimentado por nada.

Nas monarquias, a figura do soberano é o receptáculo desse poder divino, representativa do Princípio que regula todas as coisas (tanto que a palavra Príncipe deriva de Princípio). Esse grande Princípio regulador, Poder pleno do Universo, é simbolizado pelo signo de Leão. Não é à toa que o leão é o rei dos animais.

Do ponto de vista humano, Leão representa a vitória do Espírito sobre o Ego, ou seja, a fagulha mais divina em nós vencendo os excessos egóicos que nos inflam de desmedido orgulho e centralizadora tirania.

Portanto, durante a estada do Sol no signo de Leão, o Cosmos nos convida a uma maior conscientização do que devemos fazer para encontrar o nosso caminho rumo à Luz; e, por outro lado, nos convida à conscientização de que somos meramente portadores e não possuidores dessa Luz. Mais ainda: essa Luz, quando em nós, enquanto portadores, só tem sentido se servir para iluminar os nossos irmãos.

E, sendo o signo de regência do Sol, propõe-nos celebrar a Vida, comemorando, de todas as formas possíveis, a vida que nos é oferecida e que, como bem disse Gonzaguinha, é bonita, é bonita e é bonita.

Um abraço apertado a todos os leoninos e votos de mil felicidades!!!!

Grande Trígono entre Vênus, Saturno e Urano

Neste mês de Julho de 2018, os planetas Vênus, Saturno e Urano se posicionam a cento e vinte graus um do outro, formando um Grande Trígono e convidando-nos a uma reflexão acerca dos nossos relacionamentos e dos papéis que neles desempenhamos.

Conta uma bela passagem da mitologia grega que Zeus, o senhor do Olimpo, discutia com sua esposa Hera (ou Juno) sobre quem tinha mais prazer no ato sexual: o homem ou a mulher.

Zeus e Hera

Zeus e Hera

Resolveram pedir ajuda a Tirésias, o sábio.

Tirésias, que é mais conhecido por sua participação no mito de Édipo, havia testemunhado, na sua juventude, à cópula de um par de serpentes encantadas e foi agraciado, por conta disso, com a possibilidade de viver como mulher durante sete anos.

Era Tirésias, portanto, a pessoa mais indicada para dirimir a pungente questão que atormentava os soberanos dos deuses e dos homens.

Tirésias, o Sábio

Tirésias, o Sábio

Trazido à presença do real casal divino e instado a expressar o seu conhecimento, Tirésias respondeu que a mulher tem mais prazer do que o homem, no ato sexual, na proporção de dez para um.

Zeus delirou de felicidade com aquela resposta, pois essa informação criava para ele um caminho para justificar as suas muitas estrepolias amorosas: “Já que a minha mulher tem dez vezes mais prazer, eu posso ter pelo menos dez amantes!”

Irritada com a resposta, Hera impõe a Tirésias um castigo terrível: cega-o para sempre.

Para os mais desavisados, essa pode ser uma história de final triste para Tirésias. Mas, no sentido simbólico e mitológico, cegueira externa significa iluminação interior! E assim, o nosso herói Tirésias, por ter harmonizado as duas polaridades (o macho e a fêmea), alcança a suprema iluminação e conhecimento da Verdade.

Ficou conhecido como o mais sábio dentre os sábios e não havia segredo que ele não desvendasse. Graças a essa sabedoria, Tirésias pode ajudar Édipo a conhecer a verdade sobre si mesmo e sobre as terríveis verdades que se escondiam em Tebas. Essas verdades, no final da história, acabaram por levar Édipo também à cegueira, mas não a cegueira do castigo auto-impingido que pretende redimir as culpas,

como quis Freud, mas sim a cegueira da suprema iluminação.

O Grande Trígono (um lindo triângulo azul nos Céus!) formado por Vênus, Saturno e Urano é um sinal do Cosmos para que busquemos cada vez mais essa harmonia entre as polaridades. Cono se precisássemos ativar o Tirésias dentro de nós, aquele que conhece ambas as faces do Ser.

Urano, no signo de Touro, confere formas diferentes à vivência do afeto, enquanto Saturno ajuda a estruturar e dar estabilidade.

 E a Vênus, no signo da Virgem, tende a colocar as coisas em ordem, trazendo simplicidade e ordem aos sentimentos.

Tudo isso traz maturidade aos relacionamento, e nos pede harmonização e integração, lembrando-nos que, sejamos homens ou mulheres, todos temos o macho e fêmea dentro de nós. E sobretudo nos relacionamentos afetivos e no mundo profissional, onde as polaridades se acentuam, temos que ser homens que sabem ser suaves; e mulheres que sabem lutar. Sem perder o poder de se encantar e se maravilhar diante da vida e sem perder a possibilidade de realizar os nossos sonhos e metas.

Uma dica.

Se você vivencia, neste momento, uma relação, fique atento: o Grande Trígono Vênus-Saturno-Urano pede expressão de afeto e demonstrações públicas e privadas desse afeto.

Portanto, não seja avaro de carinho, não poupe palavras gentis e gestos doces. Não permita que a dificuldade de observar as necessidades do outro venha a restringir seus sentimentos. E sobretudo espante o egoísmo que pode abalar as bases de seu afeto.

Detalhe importante.

Neste Domingo, dia 15 de Julho de 2018, a Lua se encontra com a Vênus, ativando de forma especial a tríplice configuração. Hora excelente, portanto, para algo especial: um programa a dois, um presente inesperado, um mimo.

E já damos uma dica de primeira! Ao anoitecer, olhe para o poente e você verá um belíssimo espetáculo: a Lua Nova, ainda bem “fininha”, só uma fatia, bem próxima à Vênus, numa cena celeste de tirar o fôlego!

Que tal convidar seu amado (ou amada) a visitar um local aprazível, a fim de contemplar esse magnífico entardecer?

Já desejo sucesso!