Arquivo mensal: junho 2019

Marte entra em Leão

Neste dia 01 de Julho, O planeta Marte entra no signo de Leão,
iniciando um ciclo de resgate da Virtude e da ação nobre.

Do ponto de vista mitológico grego, Marte representa um verdadeiro estranho no ninho: completamente diferente, em suas características, dos demais deuses do Olimpo, que representavam grandes modelos de harmonia e perfeição, Marte era o deus da guerra bruta, da selvageria e da pancadaria.

MarteJá em Roma, Marte foi cultuado como um dos maiores e mais importantes deuses. Diferentemente dos gregos, os romanos o retratavam sempre acompanhado de dois escudeiros chamados Honor (a Honra) e Virtus (a Força). Era considerado uma divindade heroica e nobre e era um dos patronos da cidade e do Império.

Essa diferença de significação é bem representativa do que pode acontecer com o Planeta Marte, dentro de nós.

Em sua essência, Marte está associado, astrologicamente, ao conceito de força. Representa o nosso lado guerreiro, aquele que vai à luta, marchando a passos largos para nos conduzir ao nosso objetivo.

Quando nos lançamos em direção de algo que desejamos, é Marte dentro de nós que nos propicia isso. Quando, revoltados diante de algo, erguemos a clava forte da Justiça, na defesa de alguém, é Marte dentro de nós que nos faz despertar o herói interior.

O signo de Leão, por sua vez representa a vitória do espírito sobre o ego, por meio do Princípio Divino, diretamente emanado das Potências Celestes, que inflama, com sua chama transcendente, a fagulha Divina em nós.

A passagem de Marte em Leão representa, portanto, um convite que o Cosmos nos faz ao resgate da Virtude. E ao longo desse período, que se estende até o dia 18 de Agosto, é chegado o momento de concentrarmo-nos na revalorização e restauração da nobreza e da seriedade em nossas ações.

Por outro lado, é importante lembrar que a palavra virtude provém do latim -vir, -viris, o mesmo radical de onde se origina viril, virilidade. Portanto, a Etimologia nos ensina que a Virtude é um conceito originariamente masculino, ou seja, é preciso lutar por ela, brigar com equilíbrio e inteligência para restaurá-la e fazê-la brilhar.

Como dizia Platão, os vícios são inerentes à Natureza do Homem. Dominá-los, Platãoporém, substituindo-os pelas virtudes opostas, é próprio do homem cuja retidão aponta para o Céu.

E por falar nisso, talvez seja bom relembrar as sete virtudes principais: a três teologais (Fé, Esperança e Caridade) e as quatro cardeais (Temperança, Prudência, Justiça e Força). Também não custa lembrar o dogma ditado pela tradição cristã, que decreta que nos perdemos por atos, palavras, pensamentos e omissões. Ou seja, não é suficiente apenas “fazer a nossa parte”. A omissão também é uma falta grave.

É preciso lutar!

Portanto, devemos sempre aventurar-nos a combater o bom combate: o de restaurar e defender a Virtude, em todas as suas formas, raiz de nossa divindade e sem a qual o homem é nada.

Uma Dica Cinematográfica

CruzadaO filme Cruzada (Kingdom Of Heaven, Reino Unido, 2005), dirigido por Ridley Scott. Um belíssimo épico, estrelado por Orlando Bloom e Liam Neeson, onde você conhecer a história de um homem em busca dele mesmo e do que ele nasceu para ser.

E, nesse caminho, encontrou a Virtude.

E se tornou o salvador de uma cidade.

Anúncios

Mercúrio entra em Leão

Em seu contínuo caminhar pelo círculo zodiacal, o planeta Mercúrio ingressa o signo de Leão, dando início a um ciclo de valorização da palavra e dos processos de comunicação.

No princípio era o Verbo, e o Verbo era Deus e o Verbo estava com Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele e sem ele nada do que foi feito se fez …

As palavras de abertura do Santo Evangelho de São João, acima transcritas, nos dão conta de que o Verbo (ou seja, a palavra) é o instrumento da Criação. Por meio do Verbo, o Deus criador manifesta a Vida e o Universo.

Na condição de co-criadores do Universo (afinal, somos feitos à imagem e semelhança do Criador, trazendo, portanto, o mesmo poder de geração) precisamos ter consciência do imenso poder de nossa palavra.

A palavra tem a possibilidade de criar Universos, de expandir as possibilidades humanas ou mesmo de realizar alquimias. Basta lembrar do que dizia Hipócrates, cognominado o Pai da Medicina: “…o que o alimento não cura, a palavra cura…”

Ao ingressar o signo de Leão, neste dia 26 de Junho de 2019, o planeta Mercúrio, regente da comunicação, nos remete à necessidade de valorização da palavra e do seu significado. Se a palavra é instrumento de criação e geração, devemos usá-la com muito cuidado e discernimento. A fase inaugurada com a entrada de Mercúrio em Leão convida-nos à prática do verbo calar, um dos verbos sagrados das antigas tradições iniciáticas. O verbo calar, contudo, não significa não falar, mas sim falar a coisa certa, para a pessoa certa, no momento certo!

E da maneira certa!

Com a nossa palavra, criamos e destruímos universos; erguemos e demolimos catedrais; conquistamos inimigos e amigos. Usando o poder da palavra, podemos adormecer os mortais ou despertá-los de seu sono de inconsciência; podemos apaziguar o coração dos homens ou insuflar-lhes a flama da discórdia.

Portanto, fique atento para usar esse dom de Deus com sabedoria e generosidade, como verdadeiro instrumento da Paz e da Harmonia, pois, durante a estada de Mercúrio em Leão, a palavra ganha força e majestade, imprimindo aos processos de interação humana um brilho e um impacto incomuns.

E nunca é demais lembrar um dos axiomas da ciência da maestria interpessoal humana: a responsabilidade da comunicação é do emissor da mensagem e não do receptor. Ou seja, se eu falo e você não entende, é minha (e não sua) a responsabilidade pela qualidade do processo comunicativo.

Sob esse aspecto, vale lembrar a frase atribuída a Franklin D. Roosevelt: o maior sábio é aquele que fala usando a linguagem de seu interlocutor.

Como reflexão, segue o poema Polígono Dourado, de autoria de um obscuro poeta pernambucano, que retrata bem o conceito da majestade da palavra humana.

 

Polígono Dourado

 

Contou-me um dia sábio asceta

Que usaria da palavra o poder

Para alcançar genial meta:

Num polígono traçado a linha reta

Com a tinta da voz escrever

Permitindo à alma humana alcançar

Da vida significativa o segredo

E vencendo a dor e o medo

Todo o Cosmos espelhar.

 

Trêmulo, ousei lançar o olhar marejado

Para a mensagem do nobre asceta

E li nas linhas do polígono dourado

As palavras do homem iluminado

Que inflamaram meu coração de poeta:

 

“Faze de ti terreno fecundo

Semeando palavras de verdade

Junta o adubo da humanidade

E se tu queres, enfim, mudar o mundo

Possa em tua voz manifestar-se a Divindade.”

 

O Sol entra em Câncer – Solstício de Inverno

Em sua trajetória zodiacal, o luminoso astro do dia adentra o signo de Câncer, dando início a um ciclo de recolhimento e introspecção, de resgate da memória.

A entrada do Sol em Câncer, neste dia 21 de Junho, à 12h54, hora de Brasília, estabelece o Solstício de Inverno para o Hemisfério Sul, marco inicial da estação invernal, que se estenderá até o Equinócio de Primavera, que ocorrerá em 22 de Setembro, com a entrada do Sol em Libra.

Primeiro signo do elemento água, segundo signo cardinal, Câncer está associado ao ponto cardeal norte, simbolicamente vinculado ao útero e à caverna, ambientes de transmutação alquímica. Em hebraico, a palavra “saphon”, que significa “norte”, possui também a acepção de “oculto”, “nebuloso” e Câncer está também associado à meia-noite, onde há ausência total de luz.

Mitologicamente, esse signo está associado à aventura do herói Hércules, quando teve de enfrentar a Hidra de Lerna, peçonhento monstro de nove cabeças que, se cortadas, faziam brotar duas em lugar de cada uma. Assim são as nossas emoções: se não forem bem resolvidas, sempre voltam com intensidade dobrada! A enorme serpente possuía ainda um hálito mortal que empestava o ambiente, envenenando homens e animais. Ajudado por seu sobrinho Iolau, o herói consegue destruir a fera, em uma batalha cheia de peripécias. Em meio à luta, antevendo a vitória do herói, a cruel Hera, esposa de Júpiter, faz surgir um enorme caranguejo, que aplica violenta pinçada no tornozelo de Hércules.

Apesar da dor, o herói destrói o bicho com uma impiedosa pisada, quebrando-o em mil pedaços. Reconstituído, o caranguejo é colocado no céu por Hera, na constelação de Câncer (Caranguejo). Também a monstruosa Hidra se transforma numa constelação.

A entrada do Sol em Câncer é um convite a um recolhimento, que nos faz olhar para o passado e, através do quebra-cabeças da Memória, reconstituir o conhecimento. Há uma “mordida” que nos desperta, justamente do caranguejo: é a memória, que nos ajuda a resgatar a Sabedoria Primordial.

Durante a estada do Sol no signo de Câncer, somos convidados a uma maior interiorização, como o caranguejo, que sempre vive recolhido à sua carapaça.

Aproveite a fase para recolher-se um pouco, mergulhar em seu útero, para, vencendo as emoções inferiores, transmutar-se num ser cada vez melhor, mais útil ao próximo, mais em comunhão com o Cosmos.

Hércules vivido nas telas por Steeve Reeves

Hércules vivido nas telas por Steeve Reeves

Um detalhe.

Hércules tinha a obrigação de cumprir dez trabalhos e não doze. Acabaram sendo doze no total pelo fato de que dois deles foram anulados, o que obrigou o herói a compensá-los. E um dos que foram anulados foi exatamente esse, da Hidra de Lerna.

E sabe por qual motivo?

Ao perceber que as cabeças da Hidra se duplicavam, quando eram cortadas, Hércules teve a ideia de cauterizar as feridas. E assim fez, usando um enorme tronco em brasa. Acontece que, para isso, contou com a ajuda de seu sobrinho Iolau, o que invalidou o trabalho.

Assim também com nossas emoções: essa é uma fera que você tem que encarar sozinho. Um bom amigo ou mesmo um terapeuta até podem ajudar, ouvir e se solidarizar. Mas é cada um de nós e mais ninguém o responsável por vencer esse nosso monstro interior.

Outro detalhe.

Na hora exata do Solstício, o Sol está em sêxtil (ângulo de sessenta graus) com o planeta Urano. Uma configuração bastante auspiciosa, se considerarmos que Urano, regente do signo de Aquário, é quem rege os processos de inovação, renovação e criação.

O Inverno começa com um toque revolucionário, um convite a uma reflexão sobre o que na sua vida precisa ser renovado e ressignificado. Um tom de reinvenção, que deverá se estender por toda a estação.

É… Esse Inverno promete…

O nosso abraço de parabéns a todos os cancerianos, esses seres magníficos que, mais do qualquer outro, sabem viver as suas emoções.

E a todos os nosso amigos e leitores, um Feliz Inverno, com o versos do Poetinha, o querido Vinícius de Moraes, em seu Soneto ao Inverno!!!

 

Inverno, doce inverno das manhãs
Translúcidas, tardias e distantes
Propício ao sentimento das irmãs
E ao mistério da carne das amantes:

Quem és, que transfiguras as maçãs
Em iluminações dessemelhantes
E enlouqueces as rosas temporãs
Rosa-dos-ventos, rosa dos instantes?

Por que ruflaste as tremulantes asas
Alma do céu? o amor das coisas várias
Fez-te migrar – inverno sobre casas!

Anjo tutelar das luminárias
Preservador de santas e de estrelas…
Que importa a noite lúgubre escondê-las?

Vênus em Trígono com Plutão

Trígono entre Vênus e Plutão, trazendo grande e bela energia de integração e evolução, especialmente no que diz respeito às questões afetivas e relacionais.

Conta uma das mais belas páginas da mitografia grega que o poderoso Júpiter, pai dos deuses e dos homens, soberano do Olimpo, passeava pela Terra, acompanhado de seu filho e mensageiro, o solerte Mercúrio.

Disfarçados, caminhavam por um vale habitado por diversas famílias de agricultores e pediram pousada em uma dessas casas.

Irritado, o fazendeiro alegou não ter alimento suficiente para receber nenhum viajante e mandou embora os peregrinos. Em outra casa, a dona disse não ter acomodações; e a cada casa em que chegavam, novo pedido e nova recusa. Furioso, Júpiter já pensava em punir toda aquela gente, por negar-se a prestar o sagrado serviço da acolhida e da hospitalidade, prática, aliás, determinada por ele próprio aos deuses e aos homens (por isso mesmo, Júpiter tinha o epíteto de Xenios, o “protetor dos estrangeiros”).

Na última das casas, tiveram sorte diferente: foram recebidos pelo velho Filêmon e sua Esposa Báucis, um empobrecido casal, já no fim da vida, que abrem as portas para o que acreditavam ser viajantes em busca de pouso por uma noite.

Júpiter e Mercúrio em casa de Filêmon e BáucisAconchegados diante da lareira, Júpiter e Mercúrio observam Filêmon colocar pétalas de rosas na água, para que os visitantes possam se lavar, enquanto Báucis tira-lhes as pesadas botas de viagem. Depois disso, os dois idosos desdobraram-se em preparar, com os parcos mantimentos de que dispõem, uma refeição decente para os viajantes, composta de figos e uvas secas, queijo e pão de cevada. Insatisfeito com a pobreza da refeição, Filêmon, com um cutelo na mão, põe-se a perseguir o único pato da propriedade, uma velha ave que servia de vigia, a fim de levá-lo para a panela. Mercúrio ria-se com as infrutíferas tentativas do velho que, mal podendo andar, tropeçava e claudicava atrás do pato. Este, percebendo o perigo, esconde-se entre as pernas de Júpiter. O poderoso deus declara que o pato está sob sua proteção e deve ser poupado.

Após a refeição, Báucis prepara a cama para os viajantes, com palha fresca e lençóis de tecido velho e grosseiro, porém limpos.

Na manhã seguinte, Júpiter e Mercúrio revelam suas verdadeiras identidades e dizem que, como prêmio por sua caridosa hospitalidade para dois desconhecidos, Filêmon e Báucis podem pedir qualquer coisa que desejarem. O velho casal se entreolha e pede apenas a graça de não sobreviver um ao outro: quando um deles morrer, que o outro o acompanhe imediatamente.

Profundamente tocado por aquela prova de amor conjugal, Júpiter sente saudades de sua esposa Hera e retorna com Mercúrio ao Olimpo, após abençoar o casal. Naquele instante, uma terrível inundação se abate sobre o vale, que fica inteiramente submerso, com exceção da propriedade de Filemo e Báucis. Sua casa se transforma num luxuoso templo em honra a Júpiter Xenios e eles são alçados à condição de sacerdote e sacerdotisa daquele templo.

Filêmon e Báucis viveram ainda muitos anos em plena felicidade, chegando a uma idade avançadíssima, que mortal algum jamais alcançou.

Um dia, percebendo que havia chegado o momento, caminharam para a frente do templo, trocaram as últimas palavras e olhares, deram-se as mãos e prepararam-se para a última viagem. E sentiram, um no outro, a estranha transformação: uma grossa casca tomou o lugar da pele, o corpo de avolumou, os cabelos encanecidos se transformaram em lindas folhas verdes… Haviam se transformado em duas árvores, dois exuberantes loureiros, cujas ramagens se entrelaçam.

E dizem que até hoje, entre as ruínas do templo, os dois loureiros permanecem abraçados, um testemunho vivo de amor profundo e verdadeiro.

O belo trígono entre Vênus e Plutão que estará nos céus nessa semana é um indicativo de um momento particularmente propício aos processos de aprofundamento e evolução dos relacionamentos.

Ótimo momento, portanto, para aquela conversa séria, para aquele grande projeto a dois, para o estabelecimento de grandes parcerias, pois as sementes lançadas ao solo neste momento terão as possibilidades de expansão e profundidade, a longo prazo.

Aproveite o momento. Reflita que, muito mais do que simplesmente romantismo, o amor é feito de companheirismo, cumplicidade e, claro, sacrifícios. Aliás, o amor se mede, sobretudo pelos sacrifícios.

O momento favorece a maturidade, a sensibilidade e generosidade para com o outro.

Uma sugestão.

Se você vivencia, neste momento, uma relação, fique atento: esse lindo trígono envolvendo Vênus e Plutão é na verdade um grande convite a que vivenciemos com toda a intensidade a beleza de momentos mágicos, encantados. Toda relação deve ser encarada com seriedade e objetividade. Mas deve haver o momento para o sonho e o encanto.

Bem, este é um momento para encanto.

Mais: como os astros envolvidos estão ocupando signos de Terra (Plutão, em Capricórnio e Vênus, em Touro), mais do que viver e sentir o encanto, temos a possibilidade de plasmá-lo, moldá-lo e efetivá-lo na realidade.

Vamos aproveitar!