Arquivo mensal: agosto 2019

Nesta madrugada, o máximo da chuva de meteoros Perseidas!!!

Espetáculo nos Céus: os Perseidas atingem seu máximo, em torno das quatro horas da madrugada de 14 de Agosto de 2016.

As Lágrimas de São Lourenço nos abençoam!!!

Uma chuva de meteoros acontece quando o planeta Terra passa pelo rastro de algum meteoro.

Ao longo do ano, há vários momentos em que podemos observar esse belo fenômeno celeste.

A chuva de meteoros dos Perseidas já vem acontecendo desde Julho e poderá ser observada até o dia 24 de agosto. Neste 14 de Agosto, os Perseidas atingem seu máximo, chegando a um gradiente de 100 bólidos por hora, o que dá mais de um por minuto.

Esses meteoritos são chamados Perseidas porque o seu radiante (a região do céu de onde parecem se originar) está localizado na constelação de Perseus.

Ou seja, é da constelação de Perseus que os meteoros Perseidas se lançam à Terra, trazendo-nos uma linda mensagem de superação e força. Afinal, foi o grande herói Perseu que matou a Medusa, o pavoroso monstro que era mulher da cintura para cima, serpente da cintura para baixo, tinha serpentes no lugar dos cabelos e transformava em pedra qualquer ser vivo que olhasse para ela. E por conta desse e de muitos outros atos heróicos, Perseu teve a honra de ser transformado em uma constelação. E de lá do alto, arremessa-nos esses belos meteoros Perseidas, como sinais de que precisamos ter coragem, a cada dia, de vencer os monstros do medo, da violência, da ignorância…

Perseidas 2016Por sorte, este ano a Lua não irá atrapalhar a observação dos Perseidas.

O mapa mostra a posição da constelação de Perseus, às 2h00 do dia 14, vista do Nordeste do Brasil, que será a posição mais favorável para a observação.

Em outras regiões, pode haver algumas pequenas variações, mas deve ser suficiente para um referência.

Se você estiver acordado ou estiver voltando da balada, vale a pena dar uma olhadinha na direção norte do céu e procurar Perseus.

E embora o melhor momento seja a partir das 4h, vale a pena começar a observar a partir das 2h. Talvez você tenha a sorte de ver algumas das estrelas cadentes (como também são chamados os meteoros).

E vale até fazer um pedido!

Detalhe

Os Perseidas também são chamados de “Lágrimas de São Lourenço“, porque, segundo a lenda sobre esse grande santo, no dia da sua morte, em 10 de Agosto de do ano de 258, houve uma linda chuva de meteoros.

Anúncios

Vênus em quadratura com Urano

O planeta Vênus faz quadratura (noventa graus) a Urano,

indicando a possibilidade de crises e conflitos afetivos.

 

Ao ingressar no signo de Leão, o que ocorreu no dia 27 de Julho, o planeta Vênus deu início a uma fase de valorização e estímulo, no que tange ao afeto e às questões relacionais.

Agora, no meio dessa fase, Vênus faz quadratura com Urano, trazendo à baila uma possibilidade de conflitos e surpresas, pois Urano tem o caráter do revolucionário, do renovador, daquele que cria e recria a realidade.

Nunca é demais lembrar o mito do nascimento de Vênus.

Conta Hesíodo que Urano (o Céu) era o soberano do Universo e sempre fecundava a sua esposa

O Nascimento de Vênus (Boticelli)

O Nascimento de Vênus (Boticelli)

Gaia (a Terra), gerando vários descendentes. Insatisfeito com os filhos, que considerava feios, porquanto excessivamente grosseiros, materiais (o Céu é incorpóreo, imaterial), Urano, assim que os rebentos nasciam, aprisionava-os novamente no ventre da mãe. Aprisionados, os filhos devotavam ao pai um ódio mortal. Até que um deles, instigado pela mãe, se prepara para combater o pai. Era Saturno, associado a Cronos, o tempo, que, armado de uma foice, ataca de surpresa e decepa a genitália do pai, quando este, em plena cópula, fecundava mais uma vez a Terra.

Castrado, perdido seu poder de fecundar, gerar e criar, Urano é exilado e Saturno sobe ao trono.

Mas o que mais nos interessa da história é o seguinte: o sangue de Urano cai sobre a Terra e faz brotar as Fúrias e os Gigantes. E o esperma de Urano cai no mar e, em contato com a espuma do mar (“aphrós”, em grego), fecunda-a e faz surgir uma belíssima concha de madrepérola, que se ergue das águas. De dentro dessa concha, nasce Aphrodite (Vênus), linda e deslumbrante.

Assim, temos que o Amor (e a beleza e a arte) é filho da última semente do Céu, sob a intervenção do Tempo. Mas se eleva acima das águas do mar (as emoções).

Nossa! Quanta sabedoria há nos mitos, não é mesmo?

Não é à-toa que Jung diz que o Mito é uma ponte para os significados mais profundos do inconsciente coletivo; e Malinowsky diz que o Mito é a pré-história da Filosofia!

Bem, o que nos diz respeito, nesse momento, é que o pai Urano e sua filha Vênus resolvem se opor, trazendo-nos essa possibilidade de recriação.

Ou de crise…

Portanto, fique atento.

Se pintar a crise, não esconda a cabeça na areia. Encare-a de frente e procure descobrir, junto com o parceiro, o que há do outro lado dessa história. Assim, será fácil descobrir os significados e, se for o caso, redesenhar a relação, em seus papéis e em sua significância.

Schiller

Schiller

Também as nossas tendências artísticas, nossa criatividade deverá se exaltar, durante os próximos dias. Aproveitemos! Nesse sentido, é válido lembrar a ideia do dramaturgo, poeta e escritor alemão Friedrich Schiller, quando diz que “fazendo o Bem, nutrimos a planta da Humanidade; produzindo o Belo, espalhamos as sementes do que é divino”.

Para concluir, se o assunto é Vênus, nada melhor do que poesia!

Assim sendo, convocamos o poeta pernambucano Carlos Penna Filho, o “Poeta do Azul”, com o seu “Soneto do Desmantelo Azul”. E nele vemos o que é “uranizar”, dar significados à relação.

 

Então pintei de azul os meus sapatos

Por não poder de azul pintar as ruas

Depois, vesti meus gestos insensatos

E colori as minhas mãos e as tuas.

 

Para extinguir em nós o azul ausente

E aprisionar no azul as coisas gratas

Enfim nós derramamos simplesmente

Azul sobre os vestidos e as gravatas.

 

E afogados em nós nem nos lembramos

Que no excesso que havia em nosso espaço

Pudesse haver de azul também cansaço.

 

E perdidos de azul nos contemplamos

E vimos que entre nós nascia um Sul

Vertiginosamente azul. Azul.

 

Dica cinematográfica

Alguém tem que cederO excelente Alguém tem que ceder (Something’s Gotta Give, USA, 2003) dirigido por Nancy Meyers e estrelado por Jack Nicholson e Diane Keaton  (com Amanda Peat e Keanu Reeves no elenco).

Uma bela comédia romântica, engraçada, porém reflexiva, onde você vai ver direitinho como se recria o significado de amar e relacionar-se.