Arquivo mensal: outubro 2011

O Sol entra no signo de Escorpião

  Neste dia 23 de Outubro de 2011, às 14h30, horário de Brasília (Horário de Verão), o Sol entra no signo de Escorpião.

O signo de  Escorpião está associado ao mito de Orion, um gigantesco caçador, filho de Netuno, que, de tão hábil, gabava-se de matar qualquer animal que na terra vivesse. A Mãe Terra (Gea ou Gaea) não se conforma em ouvir tal desaforo e envia-lhe um enorme escorpião, desafiando o caçador a matá-lo. Orion faz pouco do bicho e, com o pé, esmaga-lhe a cabeça; esquece, porém, que é na cauda que se situa o ferrão do perigoso animal; e é exatamente esse ferrão que o escorpião, apesar de ter a cabeça arrebentada, crava na perna de Orion, inoculando-lhe o seu letal veneno.


O soberbo caçador morre, padecendo de terríveis dores e será catasterizado (= transformado em constelação), formando o agrupamento de estrelas que leva o seu nome, a pedido da deusa Diana (= a Lua).Simbolicamente, o signo de Escorpião representa esse veneno, capaz de matar (= transformar, transmutar), para fazer transcender para algo que está “mais além”.

No livro O Pequeno Príncipe, de Exupèry, é o veneno de uma serpente do deserto que faz o jovem principezinho viajar de volta ao seu pequeno planeta; do mesmo modo, a borboleta “mata” a lagarta, ao transformar-se de uma para outra. Assim também o feto, dentro do útero, “morre” para renascer um ser vivo independente; assim também o adulto “mata” o jovem, quando atinge a maturidade

Viver, portanto, é sinônimo de nascer, evoluir, morrer e renascer, numa interminável seqüência, consoante os ciclos cósmicos.

Compreender Escorpião é compreender o Mistério da evolução, da regeneração e da morte; é compreender a liberação das energias necessárias à transformação. E é, sobretudo, compreender o erro sobre o qual se construiu a nossa civilização: a ilusão de que o eu é a última realidade; de que o progresso contemporâneo e finito é mais importante do que os ciclos infinitos e sutis, muito mais sutis, que se mesclam com a realidade; de que podemos acender as luzes do inconsciente sem venerar o Incognoscível; e de que a realidade superficial das coisas é mais significativa do que a ordem oculta em que ela se baseia.

E lembre-se: já que o Universo é dinâmico e eternamente em estado de metamorfose, a mudança invariavelmente acontece, quer você goste disso ou não. É melhor que as transformações aconteçam sob seu controle e sua opção.

Aproveite, portanto, a estada do Sol em Escorpião para detonar as mudanças de que você necessita e que, às vezes, fica adiando, por acomodação ou mesmo por (desculpe a franqueza!) covardia.

Dica cinematográfica: o filme Shirley Valentine, uma história sobre alguémque foi capaz de matar o que já estava morto.

Anúncios

Steve Jobs – Urano em Câncer, Lua em Áries

Tem havido uma grande movimentação nos meios jornalísticos, digitais e tecnológicos, por conta do falecimento de Steve Jobs, o grande guru da inovação.

E o que tem a Astrologia a dizer acerca desse gênio?

Steve Jobs tinha Urano em Câncer, configuração típica da geração que  nasceu entre 1949 e 1956, ou seja, os primeiros “baby boomers” .

Mas Jobs tinha algo a mais: o planeta Júpiter em conjunção ao Urano, o que amplia enormemente os atributos revolucionários e inovadores deste astro.

Steve Jobs, 24 de Fevereiro de 1955, 19h15, San Francisco, Califórnia, USA.

Interessante notar que o planeta Urano representa simbolicamente as tecnologias de ponta. E o signo de Câncer está diretamente relacionado ao conceito de lar, casa, intimidade. E não foi exatamente levar a tecnologia (Urano) ao lar, à intimidade das pessoas (Câncer), a grande sacada de Jobs?

Associe-se a isso a presença da Lua no signo de Áries, o que garante uma tremenda iniciativa, ainda reforçada por Marte, também em Áries.

Um detalhe : a estrela Bellatrix, da constelação de Orion, estava em culminância (ou seja, no ponto mais alto do Céu) na hora do nascimento de Steve Jobs. Com a força a mais dessa estrela, Jobs foi capaz de transformar em realidade os sonhos de inovação e revolução de uma geração inteira. E até mais de uma.

Diante disso, tenho que concordar com a frase que colhi na internet: “Jobs não morreu. Fez um upload. E já deve estar lá por cima, criando o I-Céu!”.

Ou algo ainda mais surpreendente…