Arquivo mensal: abril 2014

Lágrimas sobre Macondo

 O mundo dá adeus a um dos seus maiores mestres da literatura:
Gabriel Garcia Márquez

“Choveu durante quatro anos, onze meses e dois dias. Houve épocas de chuvisco em que todo mundo pôs a sua roupa de domingo e compôs uma cara de convalescente para festejar a estiagem, mas logo se acostumaram a interpretar as pausas como anúncios de recrudescimento. O céu desmoronou-se em tempestades de estrupício e o Norte mandava furacões que destelhavam as casas, derrubavam as paredes e arrancavam pela raiz os últimos talos das plantações. Como acontecera durante a peste da insônia, que Úrsula dera para recordar naqueles dias, a própria calamidade ia inspirando defesas contra o tédio.”

GaboO trecho acima, extraído do livro Cem Anos de Solidão, retrata bem o estilo marcante de Garcia Márquez, que mistura situações e acontecimentos fantásticos com a ora angustiante ora enlevante realidade interior em que se debate a humanidade. A própria natureza ganha personalidade, às mais das vezes uma personalidade inconstante e caprichosa. E em meio a esse cenário, Garcia Márquez criou alguns dos mais incríveis e apaixonantes personagens da literatura universal.

Gabriel Garcia Márquez, o Gabo, como era carinhosamente chamado por amigos e admiradores, nasceu na cidade colombiana de Aracataca, no dia 06 de Março de 1927, Domingo, às nove horas. Foi jornalista e ativista político, além de escritor.

 

Gabo era Pisciano com Júpiter oriental, tendo Sol, Júpiter, Mercúrio e Urano em Peixes.

Sol e Júpiter estão em conjunção, assim como Mercúrio e Urano, todos na Casa XI de seu Mapa Natal Astrológico.

Isso já diz muito do escritor que reinventaria a própria literatura latino-americana, com seu Garicia Máquezestilo irreverente e revolucionário, sempre imitado, nunca igualado, já que a Casa XI está relacionada com as revoluções e invenções. Mas sobretudo a casa XI é associada à Humanidade. E é óbvio que Gabo escrevia com esse gosto de humano que lhe é tão característico. Não o humano comum. Mas o Humano pleno, cheio de significados, que nos preenche de riqueza poética e crua beleza.

Certamente o mais marcante astro do seu Mapa é a Lua, em posição dominante, próxima nove graus do Ascendente (três graus de Touro). Isso explicaria a influência dos avós maternos, de quem herdou o gosto pela histórias, assim como a avassaladora e muitas vezes absurda força de suas imagens literárias.

Netuno, mestre da fantasia, está no final da Casa IV, mas tão próximo ao início da Casa V que poderemos considerá-lo efetivamente aí, na Casa V, a casa da criação, do prazer, do lúdico e da arte. A fantasia netuniana permitiu a Gabo, portanto, brincar com seus personagens, criar para eles situações inverossímeis ou mesmo impossíveis. E mais, Netuno está em trígono (ângulo de cento e vinte graus, altamente positivo e estimulante) com a Lua. Então os personagens de Gabo são de fato inverossímeis, porém capazes de criar fortes vínculos com o leitor.

Esse trígono Lua-Netuno parece ser marcante na vida e na carreira de Garcia Márquez. Em 1955, quando Plutão passava o sobre o Netuno, ativando a configuração, foi lançado o seu primeiro romance, O Enterro do Diabo.

E foi em 1982, quando o planeta Netuno, nos céus, alcançava o grau 24 do signo de Sagitário, fazia trígono com a Lua e com o próprio Netuno no Mapa de Gabo. Isso formou uma configuração rara, chamada Grande Trígono, um grande triângulo azul

Sob essa configuração, Gabo recebe o Prêmio Nobel de Literatura, pelo conjunto da obra. Uma justa premiação, o reconhecimento universal para um dos maiores nomes da literatura mundial em todos os tempos.

Surpreendentemente, Garcia Márquez questionava o conceito de realismo mágico ou fantástico, aplicado aos seus escritos.

“Só realismo. A realidade é que a mágica. Não invento nada. Não há uma linha nos meus livros que não seja realidade. Não tenho imaginação.”

Fácil falar, para quem tem a Lua dominante. Pergunte a um peixe o que é água e ele dirá que não tem a menor ideia. Da mesma forma, a magia o permeava inteiramente e, o que é mais rico e significativo, ajudava-o a manter o contato com a realidade.

Note-se ainda a presença do transformador planeta Plutão na Casa III, casa da comunicação, em trígono com a conjunção Sol-Júpiter. Isso traduz o impactante poder da mensagem literária de Gabo, capaz de virar e revirar o coração e a mente dos seus mais de quarenta milhões de leitores, espalhados por todo o mundo e que falam quase quarenta línguas.

erendiraEssa capacidade de jogar com a luz (Sol) e a sombra (Plutão) humanas foi capaz de criar e retratar condições humanas tão verdadeira e díspares quanto as intempéries da aldeia de Macondo (Cem Anos de Solidão), o dedicado amor de Florentino Ariza (O Amor nos Tempos do Cólera), o absurdo sofrimento de Erêndira (A Incrível e Triste História de Cândida Erêndira e Sua Avó Desalmada) ou a solidão e penúria do Coronel (Ninguém Escreve ao Coronel).

 

Ao lado, cartaz do Filme “Erêndira” (Eréndira, México/Portugal/Alemanha, 1983), estrelado pela atriz brasileira Cláudia Ohana, uma das poucas obras que Garcia Márquez permitiu adaptar para o cinema.

 

O mundo lamenta a partida de Gabo. Mas celebra a sua prodigiosa vida e inimitável talento.Tenho certeza de que fará suas as palavras do apaixonado Florentino Ariza, um de seus mais marcantes personagens:

“Só me dói morrer se não for por amor.”

Que não lhe doa morrer, Gabo. Ao menos que não lhe doa tanto quanto nos dói.

Anúncios

Os Astros e a Páscoa

“Timing” Celestial das Festas Cristãs

Pouca gente conhece, inclusive dentro da própria Cristandade,  a fórmula pela qual se calculam as festas móveis, no calendário cristão. E a maioria das pessoas se mostra muito surpresa, para não dizer estupefacta, ao descobrir que a marcação desse calendário, ou seja, que o “timing” das festas cristãs está absolutamente impregnado de símbolos astrológicos.

E o ponto de partida é a Pascoa, a Festum Festorum, ou seja, a maior, a festa das festas da tradição cristã.

O Domingo de Páscoa é o primeiro Domingo após a primeira Lua Cheia depois da entrada do Sol no signo de Áries, ou seja, do Equinócio de Outono (para o Hemisfério Sul; para o Hemisfério Norte, essa data corresponde ao Equinócio de Primavera).

Debulhando: após o Equinócio, que ocorre em torno do dia 2o ou 21 de Março, espere a primeira Lua Cheia; após essa Lua Cheia, o primeiro Domingo será o Domingo de Páscoa.

Ora, o Equinócio ocorreu no dia 20 de Março. A Lua Cheia aconteceu no dia 15, segunda-feira passada, inclusive com um eclipse lunar total. Portanto, o próximo Domingo, é o Domingo de Páscoa.

E quando acontece o Carnaval?

Quarenta dias antes!

E esses quarenta dias são chamados de Quaresma, época de reflexão, meditação e penitência, que preparam para a Páscoa.

Astros e Símbolos na Páscoa

Observe-se que, do ponto de vista astrológico, o signo de Áries é o primeiro do Zodíaco e representa a ressurreição do ano que se encerrou, a partir da aurora de um novo ciclo. Com a entrada do Sol em Áries se celebra, portanto, a Primavera cósmica. Note-se que a palavra primavera vem do latim “primus” + “veritas”, a “primeira verdade” demonstrada pelo Zodíaco, círculo de grandes e universais verdades.

Além disso, a correspondência simbólica do signo de Áries com o carneiro é uma referência direta ao Cristo, o “Cordeiro”, Aquele que tira o pecado do mundo.

Já a Lua Cheia que antecede o Domingo de Páscoa, a primeira do novo ano solar, pode ser analisada, simbolicamente, de três modos: primeiro, a Lua Cheia indica que o modo da inteligência propriamente humana alcança o seu máximo, poisLua Cheia cumpre integralmente sua função, que é refletir o conhecimento espiritual, simbolizado pelo Sol. Numa mesma linha interpretativa, em segundo, a Lua Cheia representa os Apóstolos, cuja função, igualmente, era refletir e reverberar a Luz do Cristo, simbolizado pelo Sol; em terceiro lugar, a Lua Cheia representa também a plenitude do materno, sua fecundidade e fertilidade, geração e nascimento.

Esse é o conjunto de significados astrológicos, simbólicos e religiosos que entremeia os atributos cristãos da Páscoa, a festa principal, primeira e central da Igreja Cristã: de modo análogo ao triunfo do Sol em Áries sobre a noite, a vitória do Cristo, sobre a morte e sobre o tempo, renova e regenera o antigo mundo e, como a Lua Cheia, engendra e inaugura uma nova vida.

A posteriori, vários outros símbolos foram se compondo simbolicamente ao redor desse significado central da festa e, dentre eles, um dos mais tradicionais é o ovo da Páscoa. Como restrição alimentar da Quaresma proibia comer ovos, eles só voltavam a ser consumidos na refeição do Domingo de Páscoa.

Nesse dia, pintados de cores vivas e alegres, simbolizavam a possibilidade de ressurreição da Humanidade, ofertada a todos desde que Jesus ressurgiu dos mortos.

Ovos de PáscoaO simbolismo do Ovo Cósmico é amplamente aceito por diversas tradições. Na Cosmogênese segundo a Mitologia Grega, por exemplo, a união da Noite (Nix) e do Caos, deuses primordiais, engendra um Ovo que, quando se rompe, faz surgir, da metade superior da casca, o céu e da metade inferior, a Terra. E do seu âmago, surge Eros, o deus do Amor, o “desejo incoercível dos sentidos”, o amálgama do Universo.

O ovo é, portanto, considerado como o receptáculo dos germes a partir dos quais se desenvolverá a manifestação, impregnado do Princípio Universal, além de aparecer freqüentemente como um dos símbolos mais evidentes da renovação periódica da natureza.

Por isso, muitos povos antigos o viam como o melhor emblema da vida que germina no começo da Primavera. O simbolismo do ovo reafirma, portanto, de modo muito claro e completo, as principais características da Páscoa, enquanto celebração da Vida e da Luz.

Desejamos a todos os nossos amigos, clientes e leitores uma feliz celebração de Páscoa.

E  que a chama da consciência crística possa arder eternamente nos corações dos homens.

Eclipse Lunar em 15 de Abril de 2014!!!

Na madrugada deste dia 15 de Abril, aqueles que se dispuserem a voltar os olhos para o Céu apreciarão um espetáculo: o Eclipse Lunar Total!

Este é um evento cósmico de rara beleza, que chama nosso olhar para os céus.

E diante desse fenômeno, as grandes questões que se propõem são as seguintes: qual o significado de um eclipse e como se verificam os seus efeitos em nossa vida cotidiana?

A palavra eclipse vem do grego ekleipsis, que significa, em uma tradução livre, desmaio. Do ponto de vista astronômico, um eclipse ocorre quando a luz de um astro é ocultada por outro ou pela sombra de outro. No caso presente, a Lua será ocultada, pois ficará, no momento da Lua Cheia, dentro do cone de sombra projetada pela Terra. Ou seja, a Terra, entre o Sol e a Lua, impedirá que a luz solar chegue até a Lua que, sem luz própria, refletindo apenas a luz recebida do Sol, ficará parcialmente apagada.

No caso do Eclipse deste dia 15 de Abril de 2014, a Lua deverá adquirir, na fase máxima de ocultação, uma cor avermelhada, escura, o que faz com que o fenômeno seja também conhecido como lua de sangue.

Do ponto de vista astrológico, um eclipse significa um desmaio, uma falência de uma das luzes celestes que compõem a totalidade da psique. Afinal, é isso o que os astros representam: partes da alma.

E já que tudo está relacionado entre si, quando uma dessas luzes se apaga, no céu, apaga-se também a correspondente luz dentro de nós.

Um eclipse, portanto, representa um desmaio que ocorre dentro de nossa psique, um apagão emocional que desencadeia uma espécie de black-out daquela parcela de nossa alma.

Um detalhe: após a escuridão, a luz ressurge, após o desmaio, retorna a consciência. Ao retornar a luz, porém, não somos mais os mesmos. Algo foi reformulado, inapelável e inevitavelmente, pela escuridão do eclipse. Ou seja, o pós-eclipse enseja um renascimento e uma transformação.

O eclipse ocorrerá com a Lua a vinte e cinco graus de Libra, enquanto o Sol estará aos vinte e cinco de Áries.  Se você tem o seu mapa astrológico, poderá avaliar que área da vida (que Casa astrológica) será a mais afetada pelo fenômeno.

Lembramos que o eixo Áries-Libra é o eixo astrológico do equilíbrio e que contrapõe o Eu e o Outro. Este eclipse é, portanto, um convite a uma reflexão acerca daquilo a que precisamos equilibrar em nossa vida; assim como restaurar o equilíbrio nas relações, em qualquer nível.

Ao ressurgir do black-out, a Lua nos traz a possibilidade de ir além da forma de nossa própria estrutura egóica, a fim de redefinir a nossa identidade, especialmente no que diz respeito aos limites (ou falta deles) em nossa interação com o outro significativo para nós.

Como disse Chaplin, aquilo que é mais profundo em teu ser, daí emergem os teus mais verdadeiros desejos; e dos teus mais verdadeiros desejos, daí emerge a tua mais inabalável vontade.

E essa vontade será capaz de construir o nosso destino.

Porém, às vezes é preciso demolir para depois reconstruir. E se não demolimos o que precisa der demolido, o destino se encarrega de ajustar as coisas para nós, mesmo que de maneiras nem sempre suaves.

Nós, seres humanos vivemos ofuscados pelo nosso próprio brilho e exuberância ou pela iridiscência da insana sociedade que construímos. Às vezes, é preciso que um pouco dessa luz se apague para que, na suave penumbra de nossa alma, possamos contemplar a inteireza de nossa essência.

Durante os próximos dias, ainda sob impacto do eclipse, você pode aproveitar a oportunidade para refletir sobre a sua necessidade de transformação. E começar a agir de acordo.

E não tenha medo se alguns demoninhos interiores aproveitarem para dar o ar de sua graça. Pois é, eles existem, sim. São os filhos das nossas próprias sombras internas. Nossos medos, ranços, frustrações, negações… E, quando a luz se apaga, eles criam coragem de aparecer à superfície. Aproveite e olhe-os bem de perto!

Sugiro que você acompanhe o fenômeno, nos céus. Além de ser um belíssimo espetáculo celeste (e inteiramente gratuito,diga-se de passagem), o fato de contemplar, do lado de fora, o apagar da Lua, poderá ajudar a compreender, do lado de dentro, o desmaio de nossa Lua interna.

Dicas para observação

Um eclipse penumbral representa uma diminuição gradativa do brilho da Lua, que apresentará uma imagem “cortada”, faltando um pedaço.

Observe a figura abaixo (fonte: http://www.climatempo.com.br).

Eclipse 15 de Abril 2014

 

A tabela abaixo, elaborada pelo Professor Marcos Calil, da Climatempo, indica as possibilidades de visualização.

 

Eclipse 15 de Abril 2014 2

 

Lembremo-nos de que ao longo do ano, teremos mais três eclipses:

A 29 deste mesmo Abril, um eclipse anular do Sol;

A 08 de Outubro, um outro eclipse lunar total; e

A 23 de Outubro, um eclipse solar parcial.

Ou seja, novas oportunidades de testemunharmos os desmaios em nossa alma. E, claro, o consequente redespertar em seguida.

Dica cinematográfica

E como não poderia deixar de ser, aqui vai uma dica cinematográfica: Eclipse Mortal (Pitch Black, USA, 2000), dirigido por David N. Twohy e estrelado pelo

Cena de Eclipse Mortal

Cena de Eclipse Mortal

saradão Vin Diesel, aparentemente só mais um assustador e eletrizante thriller de terror e ficção científica, porém riquíssimo em símbolos. Levantando, inclusive, questões significativas sobre religião, ética e justiça.

Mas essa dica é só para quem tiver a coragem necessária para olhar bem de perto a cara de seus demoninhos interiores, que o apagar das luzes às vezes mostra!

Sol em oposição a Marte

Neste dia 08 de Abril, Sol e Marte se colocam a cento e oitenta graus de distância, configurando um conflito entre as forças masculinas em nosso interior.

Segundo a Mitologia Grega, os irmãos Marte (Deus da Guerra) e Apolo (o Sol), ambos filhos de Júpiter, não se davam lá muito bem.

Pudera!

Um representa o protótipo do valentão briguento, enquanto o outro configura o perfeito Apollo (1)cavalheiro. Marte não perdia a chance de uma boa briga. Apolo regia o coro das musas e inundava de melodia o universo.

Mas ambos representam parcelas importantes da nossa psique, especialmente as parcelas masculinas. E nesse momento, essas duas parcelas masculinas entram em conflito, gerando comportamentos agressivos e violentos.

A oposição entre Sol e Marte é um indicativo da necessidade de utilizarmos nossa lucidez para estabelecer estratégias que nos permitam canalizar melhor as nossas energias guerreiras. Afinal, você já deve ter percebido que esbravejar, gritar e brigar dificilmente traz os resultados que desejamos.

MarteNesse momento, portanto, fique atento: antes de soltar aquele poderoso e tonitruante berro, conte até dez e evite perder a calma, o que nunca leva a nada. Procure estabelecer, isso sim, uma estratégia, um plano de ação, com objetivos claramente definidos; trace metas a curto, médio e longo prazo; estabeleça metas intermediárias; e aja, ponha o seu plano em ação! Isso sim, é que é inteligente e produtivo e irá motivá-lo a ir sempre em busca do que você quer.

Falando em motivar, é importante que você perceba, ao estabelecer as suas estratégias, qual a direção habitual de sua motivação. Existem pessoas que se motivam para buscar alguma coisa, para aproximar-se de um objetivo (em Programação Neurolingüística, chamamos a esse padrão de motivação de meta-programa de motivação por aproximação). Já outras motivam-se para afastar-se de algo, para fugir de algo desagradável (meta-programa de motivação por afastamento). Por exemplo, às pessoas que se motivam por aproximação, pode ser útil pensar nos resultados positivos que o empreendimento irá trazer, os prêmios e benefícios que podem advir de uma ação. Já às pessoas que se motivam por afastamento, pode ser útil reconhecer os problemas que serão evitados com a ação.

Você pôde perceber a diferença?

As pessoas que obedecem ao meta-programa de motivação por aproximação visam aproximar-se de algo agradável ou valioso.

As pessoas que obedecem ao meta-programa de motivação por afastamento visam afastar-se de algo desagradável ou penoso.

Ambos meta-programas são úteis e ajudam a atingir os objetivos a que as pessoas se propõem. MotivacãoNo entanto, parece claro que as pessoas que se motivam por aproximação terão mais chances de se sentirem motivadas e, consequentemente, mais possibilidades de atingir as suas metas.

Descubra o seu meta-programa, observe a direção de sua atenção e, ao estabelecer as suas estratégias de ação, obedeça a essa direção. Se for o caso, mude o seu meta-programa, experimente outra forma de se motivar, até que você encontre aquela que lhe for mais útil. Com certeza, o triunfo pessoal será mais fácil e rápido, porque você foi capaz de transformar, com isso, as suas energias guerreiras, nem sempre bem direcionadas, em um magnífico potencial combativo.